Mercado fechará em 16 mins
  • BOVESPA

    109.751,04
    +2.372,12 (+2,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,15
    +627,95 (+1,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,96
    +1,90 (+4,41%)
     
  • OURO

    1.805,60
    -32,20 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    19.152,18
    +700,22 (+3,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,79
    +10,04 (+2,72%)
     
  • S&P500

    3.636,11
    +58,52 (+1,64%)
     
  • DOW JONES

    30.044,19
    +452,92 (+1,53%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.056,00
    +150,75 (+1,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3949
    -0,0454 (-0,70%)
     

Dona da Telhanorte e da Quartzolit vê desemprego e inflação em 2021

JOANA CUNHA, FILIPE OLIVEIRA E MARIANA GRAZINI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Para atender o aquecimento no mercado da construção civil, as fábricas da francesa Saint Gobain estão funcionando em turnos contínuos de 24 horas por sete dias na semana e com profissionais temporários, segundo Thierry Fournier, presidente da multinacional para a América Latina. A companhia, que tem marcas como Telhanorte e Quartzolit, espera crescimento de 17% no faturamento de 2021 na comparação com 2020, em que o avanço estimado é de 10%. O primeiro trimestre ainda deve ser forte, com os consumidores concluindo suas obras, mas depois o mercado pode desacelerar, afirma. Fournier relata escassez de produtos em nível aceitável no varejo operado pela empresa e diz que os estoques estão se normalizando. Nas fábricas, as compras foram antecipadas e há insumos suficientes, segundo ele. O executivo projeta um ano desafiador em 2021, com desemprego e inflação em alta por causa do câmbio e dos repasses que os fornecedores deverão fazer em breve. Para o executivo, é importante que seja feita uma transição para que a economia volte à normalidade após o período em que foi sustentada pelo auxílio emergencial. "Se, de um dia para outro, se corta o auxílio, as consequências podem ser brutais." Após quatro anos sem investir em novas fábricas, a Saint Gobain deverá inaugurar quatro novas unidades no ano que vem, afirma Fournier. ​