Mercado abrirá em 9 h 59 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,40
    +0,64 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.793,60
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    61.745,28
    +695,46 (+1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.062,28
    -64,65 (-0,25%)
     
  • NIKKEI

    28.615,55
    -189,30 (-0,66%)
     
  • NASDAQ

    15.322,50
    -18,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5770
    -0,0038 (-0,06%)
     

Dona da Sadia e Perdigão investe R$ 1,1 bi em parque de energia solar

·1 minuto de leitura

A BRF, multinacional de alimentos dona das marcas Sadia e Perdigão, e a empresa brasileira de energia limpa Pontoon construirão juntas um parque de energia solar nas cidades de Mauriti e Milagres, no Ceará. A iniciativa — importante em um momento que o fantasma do apagão volta a assombrar o país — está orçada em R$ 1,1 bilhão, mas segundo estimativas, dentro de 15 anos o projeto economizará R$ 1,7 bilhão com despesas de eletricidade.

Segundo reportagem de O Globo, o parque terá uma capacidade instalada de 320 megawatts, produzidas por 600 mil painéis solares em uma área de 1.170 hectares. As empresas avaliam que a energia gerada em um ano será capaz de abastecer 500 mil residências. Outro objetivo é reduzir gases causadores do Efeito Estufa.

A energia gerada deve ser distribuída às unidades da BRF na região Sul do país. As obras têm previsão de início para o ano que vem e serem encerradas até o final de 2023, com o começo das operações em 2024.

Imagem: Reprodução/elxeneize/Envato
Imagem: Reprodução/elxeneize/Envato

"Com a operação deste complexo solar e do parque eólico construído em parceria com a AES Brasil, será possível garantir a autoprodução de energia necessária para atender dois terços das necessidades de nossas unidades no Brasil, oferecendo energia limpa a custos mais competitivos", disse em evento online Vinicius Barbosa, vice-presidente de operações e suprimentos da BRF.

A BRF recentemente anunciou uma joint venture (parceria corporativa de investimento em conjunto) com a empresa AES Brasil para autoprodução de energia eólica no Complexo Cajuína, no Rio Grande do Norte. O projeto teve injeção de R$ 130 milhões. A ideia da companhia de alimentos é contar com 88% de eletricidade proveniente de fontes limpas e renováveis até 2030.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos