Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,52
    +0,70 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.817,20
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    43.189,68
    -137,73 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.624,75
    +29,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3071
    -0,0257 (-0,41%)
     

Dona da Fiat e Peugeot quer ter 34 milhões de carros conectados até 2030 e oferecer assinatura de serviços

·2 min de leitura

SÃO PAULO —A montadora Stellantis, dona de marcas como Alfa Romeo, Chrysler, Citroën e Fiat, quer ter 34 milhões de carros conectados, no mundo, até 2030, e elevar suas receitas em 20 bilhões de euros oferecendo serviços de assinatura de serviços e produtos, mudando a forma como o cliente se relaciona com seu veículo. A transformação numa "empresa automotiva de tecnologia" vai consumir investimentos de 30 bilhões de euros até 2025 para elevar a conectividade e eletrificação de seus veículos.

— Com essa estratégia, a Stellantis caminha para se tornar uma empresa de tecnologia de mobilidade sustentável — disse o presidente da companhia, Carlos Tavares, durante apresentação dos planos da Stellantis, que possui 14 marcas de veículos.

O crescimento dos negócios de serviços vinculados à internet incluem, entre outras novidades, o uso de comandos de voz para ativar a navegação e mapeamento de alta definição, fazer pagamentos e solicitar produtos online, além de opções de entretenimento.

As montadoras vem desenvolvendo cada vez mais novas estratégias tecnológicas para seus veículos como forma de rivalizar com a Tesla, montadora americana de veículos elétricos, cujo valor de mercado chegou a US$ 1 trilhão recentemente na Nasdaq. Os recursos de inteligência artificial e softwares oferecidos por seus veículos contribuíram para que a Tesla chegasse a essa capitalização.

A alemã Volkswagen já revelou que pretende cobrar por recursos de direção autônoma a partir de 7 euros por hora. A General Motors informou recentemente que quer acrescentar US $ 80 bilhões a seu faturamento em novos negócios de tecnologia, como a unidade de veículos autônomos Cruise. A Ford contratou o ex-chefe do projeto de automóveis da Apple, Doug Field, para desenvolver novos produtos de tecnologia para seus veículos. E a Renault se uniu ao Google para desenvolver novos negócios.

Para dar esse salto tecnológico, a Stellantis anunciou a criação de três novas plataformas de tecnologia, a partir de 2024, movidas por inteligência artificial. Essa novidade permitirá que os softwares instalados nos carros da montadora sejam atualizados remotamente pelo ar (do inglês over-the-air, tecnologia conhecida como OTA), além de aumentar as opções que os clientes têm para adicionar recursos e serviços que utilizam. Os carros da Tesla já oferecem esse tipo de atualização de softwares.

- Esse movimento colocará a Stellantis entre os líderes, senão a líder, em software e eletrônica - disse o diretor de software da montadora Yves Bonnefont.

A Stellantis também anunciou um acordo preliminar para uma parceria com a Foxconn para projetar semicondutores feitos sob medida. A indústria automobilística mundial sofre com a falta dessas peças e entre 10 e 12 milhões de veículos deixarão de ser produzidos este ano no mundo por causa da crise de semicondutores, estima a consultoria BGC.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos