Mercado fechado

Dólar subiu e você está de viagem marcada? Confira 6 dicas

(Pixabay)

Por Melissa Santos

O aumento da cotação do dólar e do euro preocupam turistas brasileiros que pretendem viajar para o exterior ou já tem viagem marcada. Em maio, a moeda americana subiu 6,66% e no mês de junho seguiu em alta. Os motivos para esse aumento são diversos e é necessário conhecê-los para fazer boas compras das moedas.

Um dos principais motivos da valorização do dólar, segundo o professor de Economia da IBE-FGV Anderson Pellegrino, é a alta da taxa de juros básica do Banco Central americano. Essa movimentação valoriza os títulos do tesouro americano, aumentando a remuneração para os investidores. “Isso faz com que os investidores retiram seu dinheiro, principalmente de países emergentes como o Brasil, pois eles querem ter uma remuneração mais alta nos EUA. E essa fuga de dólares faz com que a moeda fique mais cara no nosso mercado. Essa movimentação tende a continuar, já que o presidente do BC americano anunciou que aumentará ainda mais duas vezes neste ano a taxa de juros”, explica.

Um outro motivo importante nesse aumento do dólar é a instabilidade política e econômica do Brasil. Roberto Laragnoit, consultor de câmbio, fala que além do país ainda estar se recuperando da crise econômica, as eleições de outubro também trazem um clima de indefinição para os investidores, dando mais um motivo para retirar o dinheiro do país. “Para reverter esse quadro, precisamos de um candidato que tenha uma visão reformista e econômica em prol do fechamento das contas publicas. Um déficit que enfraquece o real perante as outras moedas”, fala.

O resultado disso tudo é o dólar e o euro disparados nos últimos meses. O Banco Central brasileiro tem tentado conter essa alta e até conseguido, mas a média para o preço do dólar esse ano será entre R$ 3,65 e R$ 3,80. “Essa janela é bem ampla, mas é interessante saber essa médias na hora de definir quanto você deseja pagar pela moeda”, explica Laragnoit.

Como a tendência é que o dólar e o euro sigam nas alturas. Veja, abaixo, 6 dicas de Pellegrino, Laragnoit e Juvenal dos Santos, Superintendente de Varejo da Confidence, para comprar as moedas com inteligência:

1. Compre de pouquinho em pouquinho

Ao planejar uma viagem para o exterior, uma das principais preocupações do turista está relacionada a cotação das moedas dos países de destino. Esperar que a cotação caia antes de partir para a compra pode acabar custando caro para quem deixa a decisão para a última hora, especialmente se for viajar em épocas de alta temporada. Para se proteger dessa volatilidade, a recomendação de Santos é a compra de moedas aos poucos. Assim, é possível diluir eventuais altas e fazer o chamado “preço médio”, ou seja, combinando diferentes cotações ao longo dos meses.

2. Considere a possibilidade de um cartão pré-pago

Uma outra dica de Santos para quem quer economizar e estar protegido de possíveis flutuações da moeda é levar parte do dinheiro no cartão pré-pago. Ele é livre de anuidade e das oscilações cambiais e permite que o turista não fique exposto às surpresas, típicas dos cartões de crédito, que têm câmbio definido só no momento do fechamento da fatura. Para usar esse tipo de cartão, basta adquirir e carregar e alguns deles comportam simultaneamente até seis moedas, podendo ser possível fazer uma “poupança” antes da viagem, recarregando em diferentes momentos.

3. Use os aplicativos a seu favor

Há uma série de sites e aplicativos que comparam as cotações entre diferentes casas de câmbio da região em que você vive. Lá, é possível colocar o quanto você pretende pagar e ele leva aquele lance para todas as casas disponíveis. Segundo Laragnoit, esses aplicativos são positivos para chegar em um teto factível definido por você e também porque alguns deles até permitem colocar alertas para avisar sobre a oscilação do câmbio durante o dia.

4. Fique atento aos movimentos da economia

Viu que o presidente do Banco Central fará um anúncio de intervenção no câmbio para amenizar a desvalorização do real? Fique esperto, pois, provavelmente, o câmbio estabiliza ou até recua nos dias seguintes. Pellegrino reconhece que o recuo não é muito brusco, mas ainda assim vê esse momento como uma oportunidade para comprar as moedas por um valor menor.

5. Leve em consideração os horários na hora de comprar dólar

Laragnoit indica, além de ficar atento à mídia especializada em economia, acompanhar o câmbio durante o dia. Segundo o consultor de câmbio, é importante levar em consideração o horário em que o Banco Central faz a rolagem do swap cambial, que impacta o câmbio próximo ao meio-dia. “Também vale a pena ficar de olho no preço do dólar perto das 9h, que é quando o mercado brasileiro absorve as movimentações do mercado asiático. Muitas vezes nesse horário temos a mínima do dólar”, fala.

6. Aproveite o destino e esqueça das compras

Essa dica é mais relacionada a como você irá aproveitar a viagem em épocas de alta do dólar e do euro. Deixe um pouco as compras de lado e extraia do destino aquilo que ele tem de melhor. Pellegrino orienta focar nas experiências, como gastronomia, cultura e música, “Evitar compras desnecessárias ajuda a reduzir bastante a despesa no exterior”, finaliza.