Mercado fechará em 4 h 20 min
  • BOVESPA

    122.091,61
    +210,79 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.283,19
    +63,93 (+0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,02
    +0,65 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.866,30
    +28,20 (+1,53%)
     
  • BTC-USD

    43.651,55
    -4.403,16 (-9,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.204,34
    +6,42 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.151,15
    -22,70 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.207,03
    -175,10 (-0,51%)
     
  • FTSE

    7.037,66
    -5,95 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.263,75
    -123,25 (-0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3932
    -0,0108 (-0,17%)
     

Dois satélites podem ter colidido acima do Ártico nesta sexta-feira (9)

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

Na última quarta-feira (8), o programa de Vigilância e Rastreamento Espacial da União Europeia (EUSST) liberou um comunicado alertando sobre uma possível colisão entre dois grandes satélites, que ocorreria no início da tarde de hoje (9). Segundo os cálculos do EUSST, a probabilidade de colisão era de 20%, acima do Ártico — agora a equipe segue por mais detalhes para confirmar se houve ou não o acidente.

De acordo com a previsão, o satélite americano inativado OPS 6182 (NORAD 10820) e o resto de um foguete russo SL-8 (NORAD 12443) se chocariam hoje por volta das 14h18 (horário de Brasília), a uma altura de 790 km, numa velocidade de aproximada de 52 km/h. O EUSST, que vem monitorando esses objetos ao longo das últimas semanas, estimou que eles passariam pelo menos a 10 metros de distância um do outro — por serem grandes, as chances de uma colisão aumentam.

O EUSST calculou 20% de chances da colisão acontecer (Imagem: Reprodução/EUSST)
O EUSST calculou 20% de chances da colisão acontecer (Imagem: Reprodução/EUSST)

Os possíveis milhares de detritos dessa colisão podem colocar em risco outros satélites em operação. Segundo a EUSST, “mais de 400 dos fragmentos gerados pela colisão potencial seriam maiores do que 20 cm", os quais, a uma alta velocidade, são capazes de provocar grandes danos. O número dessas colisões tem crescido ao longo dos últimos anos, não apenas pelo crescimento da quantidade de satélites em órbita, mas também pela grande quantidade de lixos espaciais que circulam ao redor do planeta.

Cerca de 400 fragmentos podem resultar desta colisão (Imagem: Reprodução/EUSST)
Cerca de 400 fragmentos podem resultar desta colisão (Imagem: Reprodução/EUSST)

Como o local previsto para a colisão é bem remoto, a equipe de monitoramento precisa aguardar algumas horas para, então, confirmar se houve ou não a colisão. Em atualização através do Twitter, a EUSST acusou que a rede de sensores só detectou apenas um objeto através dos três radares após a aproximação prevista entre os dois satélites. Ao que tudo indica, não ocorreu nenhum acidente, mas é necessário continuar acompanhando estes objetos para confirmar.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: