Mercado abrirá em 6 h 23 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    +0,33 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.087,52
    +109,62 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,53
    +10,93 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.113,13
    -475,24 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    14.318,50
    -182,50 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2127
    -0,0160 (-0,26%)
     

Banco Central: dois mil funcionários deixam cargos em protesto

·1 min de leitura
Além do reajuste de salários no Banco Central, o pleito envolve outras medidas, como mudança do título de analista para auditor
Além do reajuste de salários no Banco Central, o pleito envolve outras medidas, como mudança do título de analista para auditor

(Getty Images)

  • Funcionários do Banco Central entregam seus cargos como forma de protesto

  • Trabalhadores reivindicam a reestruturação de carreiras dos especialistas

  • De acordo com o sindicato, 500 funcionários deixaram o banco; outros 1.500 se recusaram a ocupar as vagas em aberto

Cerca de dois mil funcionários do Banco Central decidiram entregar seus cargos ou deixar de ocupar vagas em aberto como forma de protesto. A informação foi dada pelo Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), após uma reunião com Roberto Campos Neto, presidente da entidade, na terça-feira (11).

Os trabalhadores reivindicam a reestruturação da carreira de especialistas do banco, parada desde 2017. Além do reajuste de salários, o pleito envolve outras medidas, como mudança do título de analista para auditor.

Leia também:

De acordo com o sindicato, a reunião com Campos Neto foi amistosa, mas não chegou a uma conclusão. Dessa forma, 500 funcionários entregaram seus cargos e outros 1.500 se recusaram a preencher as vacâncias, ou seja, os cargos deixados.

Além do Sinal, os outros dois sindicatos do Banco Central estiveram presentes na reunião: a Associação Nacional de Analistas do Banco Central (ANBCB) e o Sindicato Nacional dos Técnicos do Banco Central do Brasil (SinTBacen).

Em nota conjunta, as entidades disseram que “a deterioração no clima organizacional nos últimos meses se deve, em grande parte, à ausência de endosso das autoridades da Casa à reestruturação da carreira de Especialista do Banco Central".

Procurada pelo O Globo, a entidade monetária disse que não comenta o caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos