Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    47.859,60
    -481,34 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Dois bancos alemães levam 100 anos para ter mulheres na direção

Stephan Kahl e Steven Arons
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Dois dos maiores bancos regionais da Alemanha acabam de nomear as primeiras mulheres para seus conselhos de administração. Demorou mais de 100 anos.

O Deutsche Apotheker- und Aerztebank, que foi fundado em 1902 e agora tem ativos de cerca de 50 bilhões de euros (US$ 61 bilhões), chamou Jenny Friese para supervisionar grandes clientes corporativos e mercados a partir de 1º de janeiro. No Merck Finck, cujas raízes remontam a 1870, Linda Urban assumiu no mês passado como diretora de operações.

“No setor financeiro, há um número semelhante de mulheres e homens empregados em geral, mas se você olhar para cima na carreira encontrará cada vez menos mulheres”, disse Friese por e-mail. Ainda assim, “equipes mistas demonstraram ser mais bem-sucedidas e criativas na busca de soluções”, disse ela, acrescentando que a maioria dos bancos se beneficiaria com essa estratégia.

Há muito o que fazer. Os 100 maiores bancos da Alemanha têm apenas 11% de mulheres em seus conselhos de administração, de acordo com um estudo do think-tank DIW lançado no início deste mês, cerca de metade do que outros estudos estimaram para o setor globalmente. No Deutsche Bank, o CEO Christian Sewing reduziu o número de mulheres no conselho de administração para apenas uma em cada 10 membros, o que significa que a porcentagem no banco mais global do país é ainda menor do que a média.

Os dois próximos maiores bancos, DZ Bank e Commerzbank, têm uma e duas mulheres no conselho executivo, respectivamente. O quarto maior banco da Alemanha, LBBW, nomeou Stefanie Muenz como diretora financeira no início deste mês, tornando-se a única instituição entre os cinco Landesbanken da Alemanha a ter uma mulher no conselho executivo.

Embora as mudanças tenham sido lentas no setor financeiro alemão, Urban, do Merck Finck, acredita que o tempo dos conselhos administrativos exclusivamente masculinos está chegando ao fim.

“Quanto mais exemplos houver de mulheres na gestão, mais as mulheres terão coragem e se colocarão em jogo para essas posições”, disse ela em entrevista por telefone.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.