Mercado fechará em 15 mins
  • BOVESPA

    121.788,85
    +1.082,95 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.207,31
    +378,00 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,41
    +1,59 (+2,49%)
     
  • OURO

    1.842,70
    +18,70 (+1,03%)
     
  • BTC-USD

    50.252,05
    +1.026,24 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.406,56
    +48,00 (+3,53%)
     
  • S&P500

    4.174,52
    +62,02 (+1,51%)
     
  • DOW JONES

    34.399,15
    +377,70 (+1,11%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.395,00
    +294,75 (+2,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3969
    -0,0156 (-0,24%)
     

Dois anos após chamar problema de bizarro, Doria tenta resolver acesso para Cumbica

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quase dois anos e meio depois que João Doria chamou de "bizarra" a falta de conexão entre a estação de trem da CPTM e o aeroporto de Guarulhos, lacuna deixada por seu antecessor Geraldo Alckmin, o governo do tucano ainda tenta evitar que o mandato acabe sem resolver o problema.

A promessa de eliminar a bizarrice, que não tinha solução tão fácil, travou em Brasília e entrou na disputa política do governador com Bolsonaro.

Na sexta (30), Doria marcou reunião com o ministro do TCU Vital do Rêgo, o presidente da concessionária GRU Airport, Gustavo Figueiredo, e o da Anac, Juliano Noman.

Os secretários Alexandre Baldy (Transportes Metropolitanos) e Mauro Ricardo (Orçamento e Gestão) também foram chamados para o encontro, que levantou expectativas no setor enquanto o tempo corre elevando a tensão por um desfecho.