Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.735,01
    -3.050,99 (-2,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.020,05
    -278,15 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,62
    -0,80 (-0,96%)
     
  • OURO

    1.783,70
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    62.800,05
    -3.119,41 (-4,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.490,38
    -44,27 (-2,88%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.381,25
    +3,75 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5781
    +0,0585 (+0,90%)
     

Doença que atinge Pelé é mais comum em idosos. Saiba identificar os sinais

·1 minuto de leitura

O rei do futebol, Pelé, foi submetido a uma cirurgia para retirada, no último dia 4, de um tumor no cólon direito, descoberto durante exames cardiovasculares e laboratoriais de rotina. Na terça-feira, o ex-jogador teve uma melhora e recebeu alta da UTI do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, e segue em recuperação na unidade. A doença que afeta Pelé é muito comum em idosos, principalmente homens.

Segundo Décio Lerner, oncologista, coordenador do Centro Avançado de Oncologia do Hospital São Vicente de Paulo (RJ) e membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica e da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula, na grande maioria das vezes, o tumor no cólon se origina “de pólipos que podem existir no intestino em até 20 a 30% da população”.

— Dependendo do tipo e características, alguns desses pólipos podem se tornar malignos, mas esse é um processo que pode levar até 10 anos — explica Décio.

Ainda segundo o oncologista, os principais fatores de risco para a doença são obesidade, diabetes, história familiar de câncer de cólon e, provavelmente, uso frequente de carnes processadas:

— Este tipo de câncer também pode ser ocasionado por algumas síndromes genéticas que, no entanto, são muito raras, no máximo 5% dos tumores de cólon.

bons hábitos

Décio explica que a principal recomendação de prevenção é ter hábitos saudáveis: manter alimentação balanceada e controlar o peso. Também é importante realizar regularmente exames de rotina, que podem mostrar uma anemia e alertar para alguma perda de sangue no intestino.

— Os exames para a detecção do câncer de cólon estão indicados, via de regra, a partir dos 45 anos. Caso haja história familiar, este acompanhamento deve começar antes — afirma o médico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos