Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.311,61
    +697,78 (+1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Documento de transferência de IFA da vacina de Oxford deve ser assinado em março

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) anunciou, no último domingo (21), que o contrato de transferência da tecnologia de produção do ingrediente farmacêutico ativo, o IFA, para a fabricação de vacinas contra a COVID-19 deve ser assinado até março. Assim que houver a formalização, a vacina da Universidade de Oxford com a empresa farmacêutica AstraZeneca, a Covishield, poderá ser fabricada no Brasil pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos).

De acordo com a Fiocruz, a assinatura do contrato deveria ter acontecido ainda em 2020, mas houveram problemas em relação ao grau necessário de detalhamento da documentação. A falha, no entanto, não causou qualquer impacto na entrega atual das doses do imunizante da COVID-19, que foram recebidas prontas da China, diretamente do laboratório WuXi Biologics.

<em>Imagem: Reprodução/Katja Fuhlert/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Katja Fuhlert/Pixabay

Até julho deste ano, cerca de 100,4 milhões de doses da vacina Covishield devem ser produzidas com o ingrediente farmacêutico ativo importado. Enquanto isso, a Fiocruz vem se preparando para contar com a estrutura necessária para iniciar a produção do IFA no Brasil, o que vai permitir a fabricação de mais de 110 milhões de doses no segundo semestre de 2021.

Segundo nota da fundação, a planta industrial da Bio-Manguinhos com a Fiocruz para a fabricação nacional das vacinas deve estar pronta ainda em abril. "O início e a conclusão desse processo de transferência para a produção nacional do IFA, bem como as entregas de vacinas integralmente produzidas por Bio-Manguinhos/Fiocruz, previstas para o segundo semestre, estarão detalhadas em cronograma a ser pactuado no contrato de transferência", diz.

<em>Imagem: Reprodução/Torstensimon/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Torstensimon/Pixabay

O Brasil ainda vai receber mais dois lotes de IFA importado nesta semana, sendo então possível a produção de mais de 12 milhões de doses da vacina contra o coronavírus. Até o fim de março, 15 milhões de doses devam ser fabricadas, e em abril a produção terá um ritmo mais acelerado. A Fiocruz e a AstraZeneca, junto ao Instituto Serum, da Índia, fecharam ainda um acordo de importação de uma remessa de 2 milhões de doses prontas, chegando ao Brasil na manhã de terça-feira (23).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: