Mercado abrirá em 7 h 37 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,78
    +1,21 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.826,80
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    20.771,75
    -406,67 (-1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,67
    -10,12 (-2,19%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.028,25
    -201,27 (-0,91%)
     
  • NIKKEI

    26.954,72
    +83,45 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    12.036,00
    -4,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5405
    -0,0036 (-0,06%)
     

Dobra proporção dos que evitam notícias 'depressivas', diz estudo

***ARQUIVO*** SÃO PAULO / SÃO PAULO / BRASIL - 30/03/22 - Yu Golfetti, para pauta sobre como estudos apontam que o atendimento especializado pode ajudar na saúde mental dos jovens transgêneros e diminuir pensamentos suicidas  ( Foto: Karime Xavier / Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO / SÃO PAULO / BRASIL - 30/03/22 - Yu Golfetti, para pauta sobre como estudos apontam que o atendimento especializado pode ajudar na saúde mental dos jovens transgêneros e diminuir pensamentos suicidas ( Foto: Karime Xavier / Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em sua 11ª edição, o Relatório de Mídia Digital do Instituto Reuters levantou que a média das pessoas que evitam notícias "depressivas", como Covid-19, inflação ou guerra, passou de 29% para 38% nos últimos cinco anos.

No Brasil, um dos países que encabeçam o fenômeno entre as 46 nações e regiões abrangidas pelo estudo, foi de 27% em 2017 para 54% em 2022. No Reino Unido, de 24% para 46%.

Os resultados são "especialmente desafiadores" para o setor de notícias, diz Nic Newman, pesquisador central do Digital News Report 2022 e das edições anteriores.

"Assuntos que os jornalistas consideram mais importantes, como crises políticas, conflitos internacionais, pandemias globais e catástrofes climáticas, parecem ser justamente os que estão afastando algumas pessoas das notícias."

A pesquisa quantitativa, realizada para o Instituto Reuters pelo YouGov em janeiro e fevereiro, é complementada por uma pesquisa qualitativa em três países: EUA, Reino Unido e Brasil.

O relatório cita declarações de jovens brasileiros anônimos nesta última, por exemplo: "Dependendo do meu humor, se eu vir uma notícia que sei que é ruim, vai me chatear, às vezes eu deixo e leio depois". Outro: "Eu gosto de notícias sobre esportes, alimentação, bem-estar e saúde. Não gosto de ver notícias sobre violência".

Um segundo destaque do próprio Instituto Reuters no levantamento quantitativo é que, para jovens abaixo de 25 anos, redes sociais visuais como TikTok e Instagram vêm substituindo o Facebook, antes dominante.

Na média dos países, 40% dos entrevistados entre 18 e 24 anos usam a plataforma chinesa toda semana, com 15% dizendo que consomem notícias através dela. Os números são maiores fora de Europa e EUA.

A confiança no noticiário caiu em cerca de metade dos países e regiões, em relação ao ano anterior --quando havia se recuperado, o que o relatório creditou então à cobertura da pandemia.

Os EUA registram a menor confiança dos consumidores nas notícias, 26%, queda de três pontos. No Brasil, a queda foi de seis pontos, para 48%.

A pesquisa se concentra em nações europeias e abrange também asiáticas como Índia, Indonésia e a região de Hong Kong, mas não a China continental, latino-americanas como México e Argentina e africanas como Nigéria e África do Sul. Ouve cerca de 2.000 pessoas em cada país ou região.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos