Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.116,62
    +320,39 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Doações são mais urgentes no Brasil, diz presidente da BRF

JOANA CUNHA, FILIPE OLIVEIRA E ANDRESSA MOTTER
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dorival Luz, presidente da BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, que na semana passada anunciou uma doação de R$ 50 milhões para ajudar no combate à pandemia nos países onde a empresa tem operação, diz que o Brasil é o mais necessitado. "Hoje, os nossos funcionários, por exemplo, nos Emirados Árabes, onde temos contingente grande, com fábrica em Abu Dhabi, já estão sendo vacinados. Estamos já com cerca de 40% dos funcionários vacinados. A demanda desses países existe, mas é menos urgente lá do que aqui, porque eles estão realmente com o processo de vacinação mais avançado", afirma Luz. Segundo o executivo, a autorização do conselho de administração da companhia para uma nova rodada de R$ 50 milhões de doação para as ações de combate ao coronavírus neste ano aconteceu porque ainda há muita demanda de apoio nas regiões onde a BRF atua. "Não esperávamos estar vivendo essa situação agora, mas temos um compromisso grande. Estamos presentes em municípios pelo interior do país que não têm grandes infraestruturas", diz ele. Sobre a discussão em torno da doação de vacinas pelas empresas, Luz afirma que tem conversado com presidentes de companhias produtoras para saber se há imunizantes disponíveis, mas a prioridade agora é o fornecimento para os governos. "Infelizmente, não temos como efetivar essa compra para distribuir e ajudar na imunização. Nós não temos como fazer isso hoje", afirma Luz. O recurso doado pela BRF será usado para a compra de alimentos, insumos hospitalares e equipamentos como ventiladores, usinas de oxigênio e leitos, além do apoio a pesquisas científicas, segundo a empresa.