Mercado abrirá em 6 h 25 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.797,10
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    37.246,17
    +1.212,69 (+3,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    844,69
    +25,18 (+3,07%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.588,41
    -218,59 (-0,92%)
     
  • NIKKEI

    26.714,59
    +544,29 (+2,08%)
     
  • NASDAQ

    14.148,25
    +161,50 (+1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0293
    +0,0053 (+0,09%)
     

DNA ambiental: cientistas identificam espécies de animais pelo ar

·2 min de leitura

Cientistas da University of Copenhagen (Dinamarca), Queen Mary University (Reino Unido) e York University (Canadá) conseguiram capturar DNA ambiental em amostras de ar de zoológicos, o que permitiu identificar as espécies que vivem lá. As descobertas foram publicadas em dois estudos na revista Current Biology e representam um marco, uma vez que, até então, utilizava-se apenas amostras do solo ou da água para obter essas informações.

Os pesquisadores dinamarqueses instalaram três filtros de ar e conseguiram identificar 30 mamíferos, 13 pássaros, quatro peixes, um anfíbio e um réptil. Eles encontraram DNA de alguns animais em cativeiro e até mesmo de pragas, como ratos e camundongos. Para se ter uma ideia, o grupo conseguiu até filtrar pequenos fragmentos de DNA de peixes usados ​​para alimentar outros animais no zoológico.

O segundo grupo, constituído pelos pesquisadores do Reino Unido e do Canadá, ficou concentrado em rastrear os movimentos dos animais. A equipe coletou 72 amostras e usou uma técnica de laboratório para amplificar a pequena quantidade de material, para que tivessem o suficiente para identificar marcadores genéticos de espécies individuais. Com isso, foi possível identificar 25 espécies de animais, sendo 17 em cativeiro, como suricatos, preguiças e burros. Eles também encontraram alguns animais que só estavam de passagem pelo zoológico, como esquilos.

O segundo grupo conseguiu detectar preguiça e outros animais via DNA ambiental (Imagem: twenty20photos/envato)
O segundo grupo conseguiu detectar preguiça e outros animais via DNA ambiental (Imagem: twenty20photos/envato)

Segundo os artigos, a descoberta é uma boa notícia para os biólogos que tentam descobrir onde animais ameaçados de extinção vivem, se reproduzem ou migram, para então proteger essas áreas. Rastrear mamíferos que se movem quilômetros a cada dia e são cautelosos em seus movimentos é uma árdua tarefa, afinal, e os especialistas clamam por novas técnicas para detectar o DNA ambiental.

Os pesquisadores defendem que detectar os padrões de movimento de um animal ao longo do tempo, em vez de apenas saber sua posição atual, é a chave para proteger seu habitat e preservar a biodiversidade do planeta.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos