Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.199,12
    -54,50 (-0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

DNA de 777 humanos do "Berço da Civilização" é sequenciado e revela segredos

Cientistas conseguiram montar uma linha do tempo histórica de proporções nunca antes vistas, demonstrando as migrações e a história dos povos que habitaram o Crescente Fértil, região da antiga Mesopotâmia considerada o "Berço da Civilização Ocidental". A complexa e abrangente análise foi possível através do sequenciamento do DNA de 777 humanos da Idade Antiga.

Normalmente, sabemos acerca da história das populações e seus movimentos migratórios por registros históricos, tanto textos e arte quanto histórias orais. O problema é que relatos nunca são completamente acurados: a história, afinal, é escrita pelos vencedores, num dito popular que faz, sim, sentido científico. Com arqueologia, paleobiologia e sequenciamento de DNA, no entanto, fica difícil mentir.

O crescente fértil, que inclui a Anatólia, abriga diversos lugares importantíssimos para a história humana, como Halicarnasso: na imagem, o Teatro da cidade (Imagem: Carole Raddato/CC-BY-S.A-2.0)
O crescente fértil, que inclui a Anatólia, abriga diversos lugares importantíssimos para a história humana, como Halicarnasso: na imagem, o Teatro da cidade (Imagem: Carole Raddato/CC-BY-S.A-2.0)

O berço da civilização e as pesquisas

Publicada na revista científica Science, a enorme pesquisa teve a participação de mais de 200 co-autores em diversos países, um trabalho que, há apenas algumas décadas, seria considerado impossível. Muito dele, inclusive, foi realizado durante a pandemia da covid-19. Os genomas analisados partiram do Neolítico, de cerca de 10.000 a.C., até o período de dominação otomana da região, em cerca de 1.700 d.C.

Através do estudo da linguística, já era sabido que povos da Anatólia — região do oeste da Turquia — e da Europa eram relacionados pela linguagem, mas agora foi possível descobrir como isso aconteceu. Ao migrar das terras altas do oeste asiático, as populações contornaram as montanhas do Cáucaso, indo à Anatólia, no oeste, e às estepes, no norte, e delas aos Bálcãs e então de volta à Armênia.

Todas as línguas indo-europeias, com o estudo, podem ser conectadas por uma corrente de migrações a uma origem comum há 6.000 anos. A quantidade massiva de dados permitiu que três publicações fossem realizadas.

Uma delas trata da história genética do Arco Sul (outro nome para o Crescente Fértil), que analisou os anos de 5.000 a.C. a 1.000 a.C. e notou trocas de genes entre pessoas das estepes eurasianas e do arco sul. Isso revelou alguns insights sobre populações pastorais da estepe de Yamnaya e a possível origem da língua indo-europeia — ancestral linguística de diversas línguas, do grego ao latim, ao hindi e ao persa.

Representação do ciclo de migrações descoberto pela pesquisa, onde populações se moveram do oeste asiático à Anatólia e leste europeu (Imagem: Lazaridis et al./Science)
Representação do ciclo de migrações descoberto pela pesquisa, onde populações se moveram do oeste asiático à Anatólia e leste europeu (Imagem: Lazaridis et al./Science)

Mais uma publicação analisou o DNA de mesopotâmios e suas migrações em períodos pré-Neolítico Tardio e Neolítico Tardio (também chamado de Neolítico Cerâmico) à Anatólia. Eles acreditam que a região, que foi um epicentro de revoluções técnicas no período, recebeu migrações do Crescente Fértil em dois pulsos diferentes.

Outro estudo foca na história antiga e medieval da região, analisando populações como a romana, urartiana e micênica, cujos detalhes nunca foram bem entendidos pelos historiadores, mesmo tendo feito parte da história registrada — às vezes, faltam fontes e textos complementares.

Os dados abrem possibilidades para estudar as origens da população do Crescente Fértil ao longo da história de forma inédita. Ainda precisamos investigar o porquê das migrações e o que causou o sucesso de algumas línguas em detrimento de outras, segundo os cientistas.

Especialistas notam, no entanto, que é necessário cuidado nas interpretações e consciência de suas limitações: os estudos, por exemplo, mostraram uma visão eurocêntrica em relação aos achados, um problema que deve ser abordado em publicações futuras.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: