Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.729,07
    -2.168,69 (-4,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Divulgar conversas de WhatsApp sem consentimento pode gerar indenização, diz STJ

·2 minuto de leitura

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu na última segunda-feira (30) que a divulgação de conversas realizadas no WhatsApp sem o consentimento dos participantes pode gerar indenização. Com isso, ela negou um recurso especial ajuizado por um homem que expôs publicamente capturas de tela de um grupo em que participava usando o comunicador instantâneo.

O caso julgado pela 3ª Turma envolvia parte da diretoria do time de futebol Coritiba, e as capturas de tela mostravam críticas à administração da equipe, em um episódio que provocou uma crise interna. Por conta do vazamento, o responsável pelas imagens foi condenado a pagar R$ 5 mil em indenização a um dos ofendidos.

O responsável pelas capturas argumentou ao STJ que a captura de telas não constitui ato ilícito, ponto com o qual concordou a relatora Ministra Nancy Andrighi. No entanto, ela discordou sobre a legalidade da divulgação dos materiais, visto que as comunicações feitas através do WhatsApp e outros meios eletrônicos são resguardadas pelo direito ao sigilo de comunicações.

Imagem: Divulgação/Ramon López Calvo/Pixabay
Imagem: Divulgação/Ramon López Calvo/Pixabay

"Ao levar a conhecimento público conversa privada, também estará configurada a violação à legítima expectativa, à privacidade e à intimidade do emissor”, afirmou Andrighi. "Dessa forma, caso a publicização das conversas cause danos ao emissor, será cabível a responsabilização daquele que procedeu à divulgação”, concluiu.

Exceções à regra

A relatora do caso afirmou que há uma exceção à regra que prevê indenizações para conversas divulgadas sem a permissão de seus participantes: quando isso é feito em casos que caracterizem legítima defesa ou para resguardar direitos do receptor. Como isso não aconteceu no caso que estava sendo julgado, o recurso foi negado e permanece válida a decisão que obriga o pagamento da indenização.

Em entrevista à CNN Brasil, o advogado criminalista Flavio Grossi afirmou que a decisão do STF veio em um momento oportuno, já que as formas de comunicação atuais precisam, atender aos princípios constitucionais. Ele também observa que, entre as exceções à regra, estão situações em que a divulgação das mensagens ocorre na divulgação de crimes a autoridades competentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos