Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.983,54
    -92,21 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,63 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,27 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Divulgação para nota de R$ 200 custou mais do que campanha de prevenção contra Covid-19

·1 min de leitura
A publicidade feita para disseminar a nota é o sexto principal investimento entre 2020 e 2021. Foto: Getty Images.
A publicidade feita para disseminar a nota é o sexto principal investimento entre 2020 e 2021. Foto: Getty Images.
  • A Secretária Especial de Comunicação Social (Secom) gastou R$ 18,8 milhões para divulgar cédula;

  • Em contrapartida, apenas R$ 14,4 milhões foram usados para anúncios de cuidados com a pandemia;

  • Segundo economista e professor da FGV, um dos motivos da baixa adesão da nota seriam os meios digitais de pagamento.

Durante os quase dois anos de pandemia de Covid-19, a Secretária Especial de Comunicação Social (Secom) do governo de Jair Bolsonaro desembolsou R$ 18,8 milhões para divulgar a cédula de R$ 200, valor maior do que o gasto em propagandas sobre prevenção contra o coronavírus.

Em contrapartida, gastos com anúncios relacionados a cuidados a serem tomados na pandemia, como a utilização de álcool em gel e máscaras, foram de apenas R$ 14,4 milhões.

Leia também:

De acordo com levantamento baseado em pagamentos da Secom entre 2020 e 2021, a publicidade feita para disseminar a nota é o sexto principal investimento desse período, atrás de propagandas de agenda positiva, economia de água, combate ao mosquito da dengue e até da campanha de vacinação.

Contudo, de acordo com o Sistema de Administração do Meio Circulante, depois de um ano e dois meses do lançamento da cédula de R$ 200, a mesma representa apenas 1,11% de todas as notas que circulam no Brasil. Ou seja, é uma porcentagem menor do que a das notas de R$ 1, não mais produzidas.

Segundo Joelson Sampaio, economista e professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV), um dos fatores que esclarecem a baixa adesão da cédula é a utilização de outras tecnologias.

Desde o começo da pandemia, diversas transações passaram a ser feitas digitalmente, como é o caso do Pix.

As informações são do jornal O Globo.