Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.176,96
    -3.406,05 (-3,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.896,74
    -701,79 (-1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,81
    -0,64 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.733,20
    -18,80 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    41.671,37
    -1.169,05 (-2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.027,23
    -29,92 (-2,83%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.763,25
    -431,50 (-2,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3466
    +0,0398 (+0,63%)
     

Diversidade é diferencial importante nas empresas, destaca pesquisa do LinkedIn

·3 minuto de leitura

Diversidade é um dos temas mais atuais do mundo corporativo. Uma pesquisa recente do LinkedIn reforça isso: segundo o estudo Cenário de Vendas no Brasil 2021, 88% das empresas brasileiras preferem fazer negócios com companhias que tenham a diversidade como pilar essencial.

Participaram do levantamento, em fevereiro de 2021, 400 compradores e 400 profissionais e gerentes de vendas. Sandro Carsava, Gerente de Soluções de Vendas do LinkedIn, afirma que esse é um reflexo das companhias que querem ver o discurso da inclusão ser colocado em prática. “A diversidade aparece, pela primeira vez, como diferencial tanto para os compradores quanto para os vendedores e suas equipes”, destaca. “As negociações são feitas com pessoas e os dados da pesquisa reforçam a necessidade de um olhar humanizado sobre as vendas.”

Imagem: Reprodução/Elements/gstockstudio
Imagem: Reprodução/Elements/gstockstudio

O estudo aponta a necessidade de os profissionais terem confiança, carisma e criatividade, embora essas caraterísticas não sejam responsáveis pelo fechamento de negócios. Além disso, uma das qualidades mais valorizadas em um vendedor é a transparência: são 54% em comparação com os 39% do ano passado. Em seguida, vêm credibilidade (51%), resolução de problemas (34%) e expertise na área (34%). “Com o maior enfoque nas relações, os profissionais precisam estar cada vez mais preparados técnica e comportamentalmente.”

Carsava lembra que, no Brasil, as vendas estão muito atreladas ao relacionamento. “Por isso, colocar o cliente em primeiro lugar é mais do que necessário e reflete diretamente nos resultados. A pesquisa mostra que, hoje, 60% dos compradores consideram os vendedores confiáveis — esse índice era de 45% antes da pandemia”, diz.

Programa de contratação para público LGBTQIA+

A dificuldade de contratar profissionais do grupo LGBTQIA+ fez a Pontaltech criar um programa de contratação para atrair exclusivamente esse público. Estudos do Center for Talent Innovation no Brasil mostram que cerca de metade dos profissionais LGBTQIA+ não se sentem confortáveis em assumir sua orientação sexual no ambiente de trabalho. “Muitos chegam a mentir sobre sua identidade de gênero para serem contratados. Queremos quebrar esse paradigma”, afirma Jonathan Franklin, responsável pela implantação do projeto de diversidade e inclusão na companhia.

A Pontaltech estabeleceu parcerias com instituições de acolhimento a causas relacionadas, como a TransEmpregos, um banco de dados e talentos de profissionais transgêneros do país, e com grupos de pluralidade em instituições de ensino por todo o Brasil. Além disso, as vagas da empresa são divulgadas em páginas voltadas a diversidade e inclusão.

Imagem: Reprodução/Elements/Redzen2
Imagem: Reprodução/Elements/Redzen2

O programa ainda está em fase inicial. “Queremos chegar a uma representatividade de, pelo menos, 15% de profissionais LGBTQIA+ até o fim de 2022. Acreditamos que uma política inclusiva é vantajosa para toda a cultura organizacional”, diz Franklin.

Atualmente, cerca de 7% dos colaboradores da companhia são LGBTQIA+. Karina Coelho, Head de Customer Success na Pontaltech, é um deles. “Quem é amado, respeitado e se sente parte do todo, produz muito mais... vai além!”, acredita. “Em outras empresas, especialmente na época em que esse assunto não era tão falado, eu sempre ouvia alguns comentários maldosos, risadinhas. Aqui eu me sinto ótima, plena. Sou respeitada e posso falar abertamente sobre o tema. Para nós, ‘normal’ é ser feliz! E eu sou muito.”

Para Franklin, a felicidade da equipe se reflete nos resultados da empresa. “Quando as pessoas se sentem acolhidas, livres para serem quem realmente são, elas criam uma conexão muito maior com os colegas. Como consequência, todos se sentem melhores, mais criativos, produtivos e com a mente mais aberta para abraçar novas oportunidades de negócios. É uma satisfação que rompe as barreiras da própria empresa”, avalia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos