Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,79
    +0,18 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.850,20
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    32.622,14
    +303,66 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,42
    +6,10 (+0,94%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.569,50
    +84,00 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5108
    -0,1254 (-1,89%)
     

Divórcios e casamentos caem nos EUA com pandemia, mostra estudo

Ben Steverman
·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O número de americanos se divorciando despencou no ano passado, enquanto a taxa de casamentos também caiu vertiginosamente à medida que milhares de casamentos foram adiados ou cancelados, de acordo com um novo estudo.

As primeiras análises sobre o efeito da Covid-19 nas estatísticas de divórcio e casamento nos Estados Unidos vêm do Centro de Pesquisa Familiar e Demográfica da Universidade Bowling Green State, que analisou cinco estados que divulgaram números mensais durante grande parte do ano passado.

Os dados contradizem as previsões iniciais de que a Covid-19 e os estresses da quarentena causariam um aumento nas taxas de divórcio.

Na Flórida, o maior estado analisado, o número de casamentos de março a setembro foi 33% menor do que os pesquisadores esperavam com base nas tendências dos anos anteriores. Os divórcios caíram 28%.

Se as tendências na Flórida e em outros estados - Arizona, New Hampshire, Missouri e Oregon - se repetissem em todo o país, os EUA teriam um “déficit“ estimado de 339.917 casamentos e 191.053 divórcios, de acordo com o estudo feito por Wendy Manning e Krista Payne da Bowling Green. Em 2019, ocorreram cerca de 2,2 milhões de casamentos nos EUA, e cerca de 1 milhão de divórcios.

O acentuado declínio dos divórcios não significa que os casais estejam necessariamente mais felizes juntos no isolamento. Em vez disso, a pandemia pode estar forçando cônjuges insatisfeitos a ficarem juntos por razões práticas.

“O divórcio pode ser caro, e os casais podem relutar quando enfrentam incertezas econômicas e/ou problemas de saúde”, disse Manning, professora de sociologia e diretora do Centro de Pesquisa Familiar e Demográfica. “Essas pessoas podem se sentir ‘presas’ e atrasam o divórcio até a vida pareça mais normal.”

As taxas de divórcio e casamento têm caído durante anos, à medida que os americanos mudaram a forma como abordam a instituição do matrimônio. Os jovens estão esperando mais para se casar, e muitos casais estão renunciando totalmente ao casamento, optando por apenas viver juntos. Aqueles que se casam tendem a ser mais educados e ricos, um grupo auto-selecionado que também tem mais probabilidade de permanecer junto.

Em 2019, a taxa de divórcio nos EUA era de 15,5 por 1.000 mulheres casadas, de acordo com o Centro Nacional para Pesquisa de Família e Casamento, abaixo de seu pico de 22,6 em 1980.

A escassez de casamentos e divórcios em março e abril de 2020 era provavelmente inevitável. Os escritórios do governo foram fechados e os americanos receberam ordens para ficar em casa. No entanto, os dados não mostram uma grande recuperação no verão e no outono - quando a maioria dos estados reabriu - que refletiria uma grande demanda reprimida da primavera.

Uma exceção é o Arizona, onde os números de divórcios voltaram ao longo do verão para trazer o estado um pouco acima dos níveis esperados. Em New Hampshire, entretanto, os dados de março a novembro mostram uma queda de 10,1% nos casamentos e de 36% nos divórcios.

No primeiro semestre de 2020, havia sinais de um aumento iminente dos divórcios e uma elevação perturbadora em prisões por violência doméstica e ligações para a polícia enquanto cidades dos EUA estavam sob ordens de permanência em casa em março. Mas Manning disse que pesquisas conduzidas pela Bowling Green mostram que a maioria dos casais relata poucas mudanças no nível de conflito em seus casamentos.

Mesmo que os casais queiram o divórcio agora, “para muitas pessoas, simplesmente não é prático”, disse Linda Ravdin, advogada da Pasternak & Fidis em Bethesda, Maryland. Embora casais com divórcios relativamente simples tenham conseguido fechar acordos, ela disse, a Covid-19 torna as outras negociações difíceis. As decisões sobre a guarda dos filhos são mais difíceis quando as escolas e creches estão fechadas. As negociações financeiras são mais complicadas quando os cônjuges estão desempregados ou não têm certeza do que a economia reserva para seus empregos ou negócios.

“As pessoas não estão prontas para tomar grandes decisões”, disse Ravdin. “As pessoas estão tentando fazer a coisa certa por seus filhos, por si mesmas, percebendo que estamos todos nessa situação juntos.”

Para os casamentos nos Estados Unidos, uma questão chave é quantos dos cancelados em 2020 irão acontecer eventualmente. Se um número significativo não ocorrer, a Covid-19 pode ter um impacto duradouro em uma geração que já era cautelosa em relação ao matrimônio. Em 2019, os números da Bowling Green mostram, ocorreram apenas 30,5 casamentos por 1.000 mulheres americanas solteiras, cerca de um terço do pico da taxa no início e meados do século XX.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.