Mercado abrirá em 2 h 59 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,08
    +0,20 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.865,00
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    40.178,48
    +1.078,09 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.005,47
    +36,63 (+3,78%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.176,94
    +30,26 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.141,25
    +16,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1462
    +0,0147 (+0,24%)
     

Ditadura de Maduro confisca prédio do principal jornal da Venezuela

·2 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A Justiça venezuelana, alinhada ao regime do ditador Nicolás Maduro, confiscou no fim da tarde desta sexta-feira (14) o prédio que abriga a sede do Nacional, principal jornal venezuelano.

A medida é parte da execução da sentença por dano moral decidida em favor do homem-forte do chavismo, Diosdado Cabello -no mês passado, o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ordenou que o jornal pague US$ 13,4 milhões ao líder chavista. A ação cita uma reportagem republicada pelo mais tradicional diário de Caracas sobre a suspeita de envolvimento de Cabello com o narcotráfico.

Jorge Makriniotis, gerente-geral do jornal, divulgou um vídeo com o momento em que policiais lacram o edifício, cumprindo a ordem judicial. "Depois de 78 anos de história, defendendo a liberdade de expressão, o Nacional está sendo invadido e está sendo confiscado. Isso é um ataque contra a democracia", afirmou.

O episódio ocorre justamente quando o regime vinha dando mostras de querer dialogar com a oposição liderada por Juan Guaidó, agora apoiado pelos EUA sob Joe Biden. Nas últimas semanas, Maduro havia tomado decisões interpretadas como gestos de boa vontade por alguns atores internacionais, incluindo o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, órgãos de direitos humanos e o Grupo de Contato Internacional.

Entre as medidas, estavam a escolha de dois membros não-chavistas para o Conselho Nacional Eleitoral, a libertação (para prisão domiciliar) de seis executivos da Citgo (companhia petrolífera) e a determinação de permitir assistência do World Food Program para crianças desnutridas.

Maduro também declarou que estaria "pronto para conversar" com Guaidó. "Com a ajuda da União Europeia, do governo da Noruega, do Grupo de Contato, quando quiserem, onde quiserem e como quiserem."

Guaidó, que vinha recebendo críticas de outros setores da oposição, teve respaldo do governo americano por meio de Julie Chang, subsecretária para o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado. "Apoiamos Juan Guaidó e os esforços da oposição venezuelana para restaurar pacificamente a democracia na Venezuela através de eleições presidenciais e parlamentares livres e justas", disse.

Os diálogos, que terão acompanhamento internacional, visam a realização de eleições regionais livres no fim do ano.