Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.802,10
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    34.329,21
    +412,30 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    -6,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Distribuidoras da Neoenergia têm injeção 11% maior no 2º tri; empresa vê recuperação

·1 minuto de leitura
Sede da Neoenergia, no Rio de Janeiro (RJ)

SÃO PAULO (Reuters) - As distribuidoras da Neoenergia injetaram 18.702 gigawatts-hora (GWh) de eletricidade no segundo trimestre de 2021, alta de 11% em relação a igual período de 2020, informou a empresa nesta quarta-feira, afirmando que os dados confirmam uma "recuperação do mercado em suas áreas de concessão".

O relatório, que representa prévia não auditada dos resultados operacionais da empresa, também indicou um aumento de 6,85% na distribuição de energia no primeiro semestre deste ano, novamente em comparação anual, para 37.208 GWh.

Nos primeiros meses do ano passado, os níveis de distribuição de eletricidade foram fortemente impactados pelas medidas restritivas relacionadas à pandemia da Covid-19.

No comparativo entre o segundo trimestre deste ano e mesma etapa de 2020, a maior variação positiva foi registrada pela distribuidora Elektro, cuja injeção de energia avançou em 15,44%, enquanto a Celpe apurou o resultado mais modesto, com alta de 6,17%.

A Neoenergia ainda reportou nesta quarta-feira que sua geração de energia por fontes renováveis (considerando eólica e hidrelétrica) recuou 0,56% no segundo trimestre, a 3.295 GWh.

Já a geração térmica da empresa disparou 531%, para 631 GWh, em momento em que o Brasil passa por grave crise hídrica, impactando as fontes hidrelétricas.

A Neoenergia ressaltou que "no segundo trimestre de 2020, a planta (termelétrica) foi pouco despachada em virtude da menor demanda observada no início da pandemia."

(Por Gabriel Araujo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos