Mercado fechará em 5 h 41 min
  • BOVESPA

    112.180,17
    -1.632,70 (-1,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.429,72
    -300,08 (-0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,45
    -0,05 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.765,70
    -5,50 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    21.435,87
    -2.042,20 (-8,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    507,97
    -33,63 (-6,21%)
     
  • S&P500

    4.237,16
    -46,58 (-1,09%)
     
  • DOW JONES

    33.748,03
    -251,01 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    +16,64 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.293,50
    -229,75 (-1,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2111
    -0,0027 (-0,05%)
     

Distribuidoras criticam proposta da ANP para aumento de estoque de diesel

Posto de combustíveis no Brasil

Por Rafaella Barros

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Distribuidoras de combustíveis e entidades que representam o setor de distribuição criticaram, nesta terça-feira, a proposta da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) de aumento dos estoques de diesel A (puro) S-10 para mitigar os riscos de desabastecimento no Brasil.

Durante audiência pública realizada pela agência para debater o tema, o gerente de Relações Institucionais da Raízen, Luciano Libório, afirmou que não ficou claro o porquê de a ANP ter fixado o percentual de 8% ou mais de market share para as distribuidoras serem obrigadas a manter estoques mínimos equivalentes a nove dias do volume comercializado no mesmo mês do ano anterior.

"Quando você obriga alguns agentes, dentro dessa estrutura do corte de 8% a ter no mínimo 9 dias, significa que outros, que estão com estoque acima de 9 não precisam fazer nada, podem até baixar o nível", disse Libório.

O gerente de Processos Regulatórios do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Samuel Carvalho, disse que o setor entende as preocupações do regulador com os impactos da oferta global mais restrita do diesel no mercado interno, mas que a proposta cria assimetrias e tende a aumentar os custos das empresas.

"É importante destacar que esses estoques são definidos por cada agente, para cada instalação, de acordo com a estratégia de cada um. A demanda em cada localidade pode variar muito ao longo de um período. Na medida em que a ANP coloca essa obrigação, ela limita um pouco essas estratégias", disse Carvalho.

Segundo Carvalho, na prática, a obrigatoriedade estudada pela agência exclui 33% do mercado de distribuição." Fica, basicamente, o peso do atendimento ao mercado em cima de três agentes", disse, referindo-se às empresas Vibra, Raízen e Ipiranga.

Uma fonte do setor disse à Reuters, sob condição de anonimato, que, hoje, as empresas são obrigadas a manter um estoque de 3 a 5 dias. Elevar os níveis para 9 dias, disse a fonte, aumentaria os custos em "centenas de milhões de reais" por mês e não resolveria o problema.

Esse aumento de custos se refere principalmente à expansão da capacidade de armazenamento e a operacionalização logística para levar esse combustível estocado às regiões que são mais suscetíveis ao desabastecimento.

"Pouco importa a gente fazer estoque em SP, RJ ou no Sul para atender a uma emergência no Amazonas. Não tem como. Essa é uma distorção. Você tem que fazer estoque onde pode haver problemas", disse a fonte.

Diante do risco de faltar diesel no país, o presidente Jair Bolsonaro disse na segunda-feira que o Brasil estava perto de fechar um acordo com a Rússia para importar o combustível.

A tese do governo é que vai sair mais barato do que comprar o produto mais caro dos fornecedores tradicionais, como os Estados Unidos, que terão que atender a uma demanda maior da Europa em função das sanções aos derivados de petróleo da Rússia.

O coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Rodrigo Leão afirma que a ideia do governo é válida, mas de difícil execução e pode não significar uma redução de preços.

"Há uma série de questões que podem acabar diluindo a diferença entre o diesel russo e o norte-americano. Há entraves logísticos e de custos que podem tornar a operação não tão mais barata assim", disse Leão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos