Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.781,90
    -23,60 (-1,31%)
     
  • BTC-USD

    16.977,01
    +252,21 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    332,43
    -5,06 (-1,50%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Distribuição de vacina pode fazer com que dólar caia 20% em 2021, diz Citi

·1 minuto de leitura
Vacina contra Covid-19
Vacina contra Covid-19

LONDRES (Reuters) - A ampla distribuição de vacinas para combater a pandemia do coronavírus e a flexibilização monetária em andamento podem fazer com que o dólar recue até 20% no próximo ano, disse o Citibank nesta segunda-feira.

"Quando as vacinas viáveis e amplamente distribuídas chegarem ao mercado, acreditamos que isso catalisará a próxima etapa de queda na tendência de baixa estrutural do dólar que esperamos", disse o banco norte-americano em nota de pesquisa.

"Dada essa situação, há potencial para que as perdas do dólar sejam antecipadas, com o dólar potencialmente caindo em até 20% em 2021."

A farmacêutica Moderna informou nesta segunda-feira que sua vacina experimental foi 94,5% eficaz na prevenção da Covid-19 com base em dados provisórios de um teste clínico em estágio final, tornando-se a segunda empresa dos Estados Unidos em uma semana a relatar resultados que excederam as expectativas.

A visão baixista para o dólar do Citi também se baseia em apostas de que o Federal Reserve continuará a manter as configurações de política monetária flexíveis, mesmo se as expectativas de inflação aumentarem com uma recuperação da economia, permitindo assim que a curva de juros dos EUA se incline.

(Por Saikat Chatterjee)