Mercado fechará em 6 h 3 min

Distanciamento social melhora experiência de compra nos EUA

Olga Kharif

(Bloomberg) -- Antes do Covid-19, visitantes da Jared The Galleria of Jewelry examinavam caixas de vidro de anéis de noivado e brincos de diamantes e pagavam na máquina de cartão. Mas, agora, essa rotina - que culminava na impressão furiosa de um recibo - foi invertida.

E é provável que continue assim.

Com dois terços de suas 3 mil unidades fechadas, a Signet Jewelers, proprietária da marca Jared e de outras redes, vendeu milhares de peças por dia por meio de um novo recurso: videochamadas. Depois de navegar on-line com um representante de vendas e pagar, o cliente vai a uma loja próxima de carro. Um funcionário com luvas e máscara faz a entrega e, talvez, algo mais: há algumas semanas, uma dúzia de rosas foi incluída e o cliente fez o pedido de casamento no estacionamento.

Com a reabertura de milhares de lojas e restaurantes nos EUA, americanos descobrem uma nova experiência de compra. Juntamente com toda a proteção de divisórias e sinais de distanciamento social, vem a rápida adoção do pagamento sem contato. O método é mais seguro para funcionários e clientes, ao mesmo tempo em que provoca a evolução do setor de varejo nos EUA, que tem ficado aquém de grande parte do mundo em tecnologia.

A experiência tradicional de pagamento - marcada por gracejos nos caixas, escanear itens, digitar a senha na máquina de cartão ou manuseio de dinheiro - já perdia força antes que o coronavírus chegasse aos EUA, e o surto apenas acelerou seu fim. Os aplicativos móveis são cada vez mais usados nas lojas para fazer pedidos, responder a perguntas via chat e pagar. Para evitar qualquer contato, mais clientes optam pela entrega ou retirada na calçada.

A Starbucks, que foi pioneira na introdução de pedidos por aparelhos móveis anos atrás, agora oferece coleta na calçada em algumas lojas para ajudar a compensar o tráfego perdido. Há muitos anos a rede tem incentivado consumidores do mundo todo a usarem pagamentos móveis com aplicativos, e o Covid acelerou essa mudança.

“Prevemos que o aplicativo móvel se tornará a forma de pagamento dominante”, disse o CEO Kevin Johnson em carta a clientes de 4 de maio.

Mas há desvantagens. Com mais transações móveis, varejistas coletarão ainda mais dados e isso poderia infringir a privacidade do consumidor, um problema que foi amplamente esquecido durante a pandemia. Redes que forem muito agressivas arriscam afastar clientes e enfrentar a ira de legisladores e reguladores que já desejam impor políticas de privacidade mais rígidas.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.