Mercado abrirá em 9 h 41 min
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,91
    -0,45 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.825,90
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    36.010,13
    +307,20 (+0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,65
    -33,49 (-4,56%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.646,23
    +72,37 (+0,25%)
     
  • NIKKEI

    28.303,58
    -215,60 (-0,76%)
     
  • NASDAQ

    12.761,25
    -41,00 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3856
    -0,0070 (-0,11%)
     

Disputa tributária entre Ford e governo de São Paulo pode chegar a R$ 2,7 bilhões

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Ford, que encerrou a produção fabril no país, trava disputas tributárias com São Paulo. A reportagem apurou que cálculos do governo estimam dívida de R$ 2,7 bilhões da empresa. O impasse envolve uma discordância sobre a tributação de automóveis produzidos na Bahia e vendidos em São Paulo. Documentos recentes da montadora enviados à SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, na sigla em inglês) destacam “autuações fiscais substanciais” contra a Ford no Brasil. A Ford não comentou o assunto até a publicação da coluna. Em nota, o governo de São Paulo afirmou que “há processos judiciais resultantes de autos de infração não pagos relativos ao recolhimento de ICMS-ST (substituição tributária) em São Paulo por operações oriundas da Bahia com benefício fiscal”. Para Breno Consoli, advogado tributarista do escritório Martinelli, o caso pode remeter à dinâmica de guerra fiscal. “O carro é fabricado na Bahia com benefício. Mas chega em São Paulo, por exemplo, com a nota fiscal indicando ICMS sem a redução concedida na Bahia, onde pagou um imposto menor.” Dos mais de 900 hectares deixados pela Ford ao sair de Guaíba (RS) e migrar para Camaçari (BA), há 22 anos, apenas 155 estão ocupados por empresas. Segundo José Sperotto (PTB), prefeito local de 2016 a 2020, cinco companhias estão alocadas ou com previsão de se instalar na área. Uma delas é a Toyota, que tem um centro de distribuição. A vantagem brasileira no comércio de veículos e acessórios com a Argentina vem sendo ameaçada nos últimos anos, tendência que deverá ser acentuada com a decisão da Ford de concentrar a montagem de seus modelos no país vizinho. Em 2017, as exportações para a Argentina superavam as importações em US$ 5 bilhões, segundo o Ministério da Economia. O Brasil chegou a ter resultado negativo em 2019. Em 2020, a situação melhorou, com saldo de US$ 260 milhões, embora o coronavírus tenha reduzido a venda a apenas US$ 2,8 bilhões para o país vizinho. A Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) diz que o saldo atual disponível ao setor automotivo para o desenvolvimento de projetos de inovação é de R$ 65 milhões.​ Os recursos fazem parte do programa Rota 2030 do governo federal.