Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.914,54
    +17,95 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Disputa entre traficantes rivais causa morte e faz reféns no Rio

WALESKA BORGES
·4 minutos de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A guerra entre traficantes rivais pelo controle do Complexo de favelas do São Carlos, no bairro do Rio Comprido, na região central do Rio, leva pânico a moradores por mais de 24 horas. A disputa causou a morte de uma jovem, na noite desta quarta-feira (26), enquanto ela tentava proteger o filho de 3 anos. Um dos criminosos invadiu um prédio na região e fez uma família refém por cinco horas. Ele acabou se entregando à polícia na manhã desta quinta-feira (27). O Brasil teve uma mulher assassinada a cada duas horas em 2018, apontou o Atlas da Violência 2020, divulgado nesta quinta-feira (27). A guerra entre facções se estendia ainda até a tarde desta quinta-feira (27). Moradores da região relatam disparos de armas de grosso calibre e até granadas. Segundo informações da Polícia Militar, quatro episódios estão ligados à guerra de traficantes. O primeiro caso ocorreu na tarde desta quarta-feira. Na ocasião, duas pessoas ficaram feridas, um policial e um bandido, e dois homens foram presos durante intenso tiroteio entre homens armados com fuzis e policiais na Lagoa, zona sul do Rio. Os criminosos estariam indo para o conjunto de favelas do São Carlos. À noite, um intenso tiroteio assustou moradores do Rio Comprido e de bairros vizinhos. Ana Cristina da Silva, de 25 anos, estava indo com o filho para o bar onde trabalhava, na Rua Azevedo Lima, quando ficou no meio do tiroteio. No momento dos disparos, ela se curvou sobre o filho de 3 anos para protegê-lo e acabou sendo atingida por tiros de fuzil na cabeça e na barriga. "A gente pensa que nunca vai acontecer com a gente, mas de uma hora pra outra você morre pra salvar a vida de um filho. Então, eu acho que não tem mensagem pra deixar, só tem indignação, só tem um pedido, né: Justiça pra ser feita. Foi apenas bandido contra bandido, parece que o Rio todo está tomado de bandidos. Isso que dá pra perceber", lamentou à TV Globo, Vânia Brito, cunhada de Ana Cristina. Segundo a família da vítima, o tiroteio impediu que Ana Cristina fosse socorrida pelo Corpo de Bombeiros. De acordo com nota da corporação: "Onde o cenário era de conflito previsível, a guarnição solicitou protocolarmente orientação policial e foi informada de que se tratava de uma área conflagrada, com risco iminente para a equipe". De acordo com familiares de Ana, ela foi socorrida por moradores e já chegou ao hospital sem vida. Neste ano, a plataforma Fogo Cruzado registrou 84 pessoas atingidas por bala perdida na região metropolitana do Rio, 14 delas morreram. Na madrugada desta quinta-feira, um criminoso em fuga no tiroteio com traficantes entrou em um prédio na Rua Aristides Lobo, no Rio Comprido. No local, ele manteve duas mulheres e uma criança, de 5 anos, reféns durante cinco horas. O homem atirou na perna do porteiro e invadiu o apartamento das vítimas. Policiais militares do (Bope) Batalhão de Operações Policiais Especiais prenderam o homem, que foi identificado como Renan Fortunado do Couto, após negociação. Na tarde desta quinta-feira, uma mulher foi feita refém por criminosos na Rua Maia Lacerda, no Rio Comprido. Após negociação com homens do Bope, quatro criminosos se renderam e foram presos. De acordo com a Secretaria de Estado de Polícia Civil, há cerca de duas semanas, o setor de inteligência da 6ª Delegacia de Polícia (Cidade Nova) detectou uma movimentação de traficantes de uma facção criminosa que pretendiam tomar o território de comunidades que fazem parte do Complexo do São Carlos e têm influência de outra facção. Porém, conforme a Polícia Civil, não havia informação de data e horário definidos. Conforme a Polícia Civil, todas as vezes em que há notícias desse tipo de movimentação, mesmo sem uma definição se o fato ocorrerá efetivamente, as polícias Civil e Militar planejam ações de ocupação e de capturas de criminosos. "O planejamento visa enfraquecer a eventual articulação e movimentação de traficantes nesse sentido", diz trecho de nota. A Polícia Civil informou ainda que, com a decisão do Supremo Tribunal Federal, que determina a realização de operações em hipóteses "absolutamente excepcionais", ações preventivas para conter eventuais disputas territoriais ficam fora desse conceito de excepcionalidade por não terem data prevista. "Dessa forma, a decisão obriga que as polícias haja apenas de forma reativa, pois se enquadra na hipótese de 'casos extraordinários' mencionados na decisão do STF," diz a nota da Polícia Civil. Procurada, a Polícia Militar não havia se manifestado até a tarde desta quinta-feira (27). A Polícia Civil também não informou se foi constituído advogado para o homem que fez a família refém no Rio Comprido.