Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,53
    +0,39 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.888,40
    +3,60 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    23.327,25
    +528,66 (+2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,77
    +12,81 (+2,44%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.511,72
    -173,75 (-0,63%)
     
  • NASDAQ

    12.758,00
    -18,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5802
    +0,0031 (+0,06%)
     

Disputa entre banqueiros e bilionários da Americanas levou empresa à Justiça

***ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, - 27.03.2020 - Lojas Americanas em funcionamento, após decreto da Prefeitura do Rio, no Recreio dos Bandeirantes,  zona oeste da cidade (Foto: Tércio Teixeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** RIO DE JANEIRO, RJ, - 27.03.2020 - Lojas Americanas em funcionamento, após decreto da Prefeitura do Rio, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste da cidade (Foto: Tércio Teixeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os bancos credores pressionaram a Americanas para que ela entrasse em recuperação judicial. A medida, considerada extremada pela companhia, foi uma resposta dos credores ao trio de bilionários Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles -acionistas de referência que não quiseram cobrir integralmente o rombo da companhia.

Há cerca de uma semana, o ex-presidente da empresa Sergio Rial comunicou ao mercado ter encontrado inconsistências contábeis de R$ 20 bilhões na companhia, o que deflagrou uma crise sem precedentes, que culminou no pedido de recuperação judicial. Ele deixou o cargo dez dias após assumi-lo.

Sob condição de anonimato, um dos banqueiros ouvidos pela Folha de afirma que, nas negociações prévias, o trio -que possui 31% das ações da Americanas- se dispôs a injetar somente R$ 6 bilhões. No limite, chegariam a R$ 8 bilhões.

No entanto, segundo cálculos desse banco, seria preciso colocar no mínimo R$ 20 bilhões para que a empresa continuasse sua operação sem problemas de caixa. A XP chegou a fazer uma projeção de que, diante da crise, a necessidade de caixa da empresa estaria entre R$ 12 bilhões e R$ 21 bilhões.

Segundo relato do banqueiro, diante da recusa, os principais credores começaram a se articular juridicamente para dar início à execução integral das dívidas com o grupo.

BTG Pactual e Votorantim foram os primeiros a recorrer à Justiça e conseguiram bloquear R$ 1,5 bilhão. Outros bancos --como Bradesco e Safra-- também estão prestes a ingressar com ação similar.

O BTG, controlado por André Esteves, chamou o trio de bilionários de "fraudadores que dão 'uma de maluco'".

Na petição da recuperação judicial, a Americanas critica seus credores pela pressão sofrida. Diz que, não fosse a sangria no caixa --iniciada pela cobrança judicial do BTG Pactual-- seria possível renegociar as dívidas e continuar operando sem problemas de liquidez.

"Com a concessão do benefício da recuperação judicial, toda essa sangria poderá ser estancada e o cenário positivo vivido pelas requerentes, ao longo dos últimos 100 anos, poderá ser retomado, para que seja apresentado um plano de recuperação factível", diz a empresa no documento.

Advogados envolvidos nas negociações afirmam que o plano da companhia era, inicialmente, renegociar as dívidas com os credores por meio de uma recuperação extrajudicial.

Segundo eles, a diferença, neste caso, seria que somente a dívida financeira seria equacionada. Não entrariam as pendências trabalhistas e judiciais que, na recuperação judicial, foram incluídas -o que tornou o valor do processo bem maior do que o inicialmente cogitado.

Ainda segundo advogados, o valor solicitado da recuperação pode sofrer alterações, porque a lista de credores será preparada nos próximos dois dias e a situação de cada credor, revista.

Na petição em que tenta se defender do bloqueio de recursos pelo BTG, a Americanas elencou uma dívida com o BNDES, por exemplo, que já tinha sido integralmente paga.

A estratégia de asfixiar a Americanas foi bem-sucedida, na avaliação de um advogado envolvido no processo. A ideia, segundo ele, vinha sendo executada como forma de obrigar os acionistas de referência a colocarem a mão no bolso.

Ainda segundo o banqueiro ouvido pela Folha de S.Paulo, para o mercado, a impressão que ficou foi de que a empresa, deliberadamente, passou anos tomando dinheiro na praça para não só se financiar, mas inflar o retorno aos acionistas e executivos do grupo, tidos como os mais bem pagos do mercado. Por esse motivo, ainda segundo o executivo, os bancos não aceitaram renegociar os débitos.

O ROMBO

O pedido de recuperação é resultado de uma inconsistência contábil de R$ 20 bilhões relacionada à operação de "risco-sacado", ou "forfait". Por esse tipo de transação, comum no varejo, a companhia contrata instituições financeiras para fazerem o pagamento adiantado de fornecedores.

A varejista assume a obrigação de pagar o banco, com juros, dentro do prazo combinado com fornecedores. Esse prazo sempre foi muito mais estendido do que a média do varejo: 180 dias, ante 90 do habitual.

A Americanas não incluía na sua contabilidade os juros dessa operação que deveria pagar aos bancos, o que tornava os seus resultados melhores do que realmente eram o que, consequentemente, beneficiava o valor das suas ações.

Estima-se que essa distorção tenha sido da ordem de R$ 20 bilhões, valor que somado aos R$ 23 bilhões de dívida registrada da companhia (em valores atualizados até esta quinta-feira) resulta nos R$ 43 bilhões informados à Justiça.

Essa falha na contabilidade foi tornada pública pelo ex-presidente Sergio Rial, que deixou a presidência da companhia, assim como o ex-diretor de relações com investidores da empresa, André Covre.

Logo após o comunicado ao mercado, a empresa mergulhou em um calvário. Sua nota de crédito foi rebaixada pelas principais agências de risco.

Naquele momento, a empresa disse que tinha cerca de R$ 8 bilhões, considerando os valores bloqueados, no montante de R$ 1,4 bilhão, pelo BTG e Votorantim, e R$ 3 bilhões que esperava obter com operações de recebíveis de cartão de crédito -"o que representaria 6,4 vezes o valor da dívida de curto prazo", escreve na petição à Justiça do Rio.

A empresa ainda possui R$ 1 bilhão em aplicações que não puderam ser sacadas, mais um golpe no seu caixa. Ao final, conta com cerca de R$ 800 milhões, valor considerado insuficiente para fazer girar o motor de sua operação diária que envolve mais de 100 mil empregos diretos e indiretos em 3.600 estabelecimentos espalhados por todo o país, atendendo a mais de 50 milhões de consumidores.

Procurada, a Americanas não respondeu até a publicação deste texto. A Folha de S.Paulo não conseguiu contato com Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles.