Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.771,09
    -2.127,06 (-4,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Disputa bilionária de 30 anos entre Eletrobras e Gerdau avança na Justiça

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A disputa de mais de 30 anos em torno de uma dívida da Eletrobras com a Gerdau teve mais um capítulo na semana passada. A estatal pagou parte e fez depósitos em garantia na Justiça de cerca de R$ 1,5 bilhão à siderúrgica depois de sofrer três derrotas nos tribunais nos últimos dez dias.

A condenação resulta de uma dívida do empréstimo compulsório de energia elétrica com a Gerdau.

No início do mês, o STJ (Supremo Tribunal de Justiça) negou um pedido feito pela Eletrobras para suspender o prazo da cobrança, estipulado para esta quinta-feira (9).

As outras duas tentativas da estatal para postergar o pagamento foram indeferidas pelo Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, na quarta (8), e pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, na quinta (9).

As reações da Eletrobras aconteceram depois de uma decisão em janeiro deste ano, quando a 14ª Vara Cível do RJ julgou improcedente um recurso da estatal sobre o empréstimo compulsório com a Gerdau.

Na época, a Eletrobras fez um anúncio ao mercado dizendo que seguiria na discussão judicial porque defendia que os créditos constituídos entre 1988 e 1994 não poderiam ser executados no processo.

Procurada pela reportagem, a Eletrobras reenviou um comunicado que publicou no dia 10 de agosto dizendo que estavam mantidos os termos da decisão de primeiro grau homologando laudo do qual discorda, mas que estava provisionado o montante de R$ 1,47 bilhão, além de multa e honorários advocatícios. Gerdau e seu advogado Bruno Calfat não comentaram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos