Mercado fechará em 1 h 15 min
  • BOVESPA

    109.624,60
    -516,04 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.924,40
    +49,49 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,97
    -1,91 (-2,52%)
     
  • OURO

    1.877,10
    -53,70 (-2,78%)
     
  • BTC-USD

    23.645,45
    -235,02 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,08
    +4,22 (+0,79%)
     
  • S&P500

    4.175,81
    -3,95 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.160,36
    +106,42 (+0,31%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.833,25
    -13,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5499
    +0,0602 (+1,10%)
     

Disparada global de yields leva BOJ a aumentar compra de títulos

(Bloomberg) -- Uma disparada de yields dos EUA à Austrália levou o Banco do Japão a aumentar as compras de títulos.

O banco central japonês anunciou uma operação não programada de compra de títulos diante da ameaça de que a alta de yields globais se espalhe para o Japão.

Os yields dos títulos de referência australianos de 10 anos saltaram 0,22 ponto percentual para 4,05% na quarta-feira, em meio à preocupação de que a reabertura da China mantenha a inflação alta por mais tempo. E os yields do Tesouro americano de 10 anos ultrapassaram 3,85% na terça, o maior nível em seis semanas.

Alguns investidores temem que uma rápida reabertura da segunda maior economia do mundo possa atrasar o recuo da inflação no próximo ano e pesar sobre os títulos globais. As movimentações são exacerbadas pela liquidez reduzida de final de ano.

“A reabertura está alimentando os riscos de inflação”, disse Prashant Newnaha, estrategista sênior de taxas da região Ásia-Pacífico na TD Securities.

O BOJ ofereceu comprar quantidades ilimitadas de títulos de dois anos a um rendimento fixo de 0,03% e dívida de cinco anos a 0,24%, entre outras compras. As compras se somam à sua oferta diária permanente de compra de quantidades ilimitadas de títulos de referência de 10 anos no teto do banco central de 0,5%.

O governador do BOJ, Haruhiko Kuroda, enfatizou segunda-feira que os recentes ajustes do banco em seu programa de controle de rendimentos de títulos não foram o começo de uma saída da flexibilização monetária, mas uma maneira de torná-la sustentável.

Os bunds alemães lideraram a disparada de yields nas principais economias desenvolvidas na terça-feira.

--Com a colaboração de Michael Wilson.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.