Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,05
    -3,35 (-2,98%)
     
  • OURO

    1.815,00
    -3,90 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.038,74
    -1.125,52 (-3,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,76
    -21,92 (-3,27%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.883,00
    -677,25 (-5,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2156
    +0,0052 (+0,10%)
     

Disparada do dólar impulsiona corrida por hedge em opções

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- A dispara do dólar está estimulando uma corrida em busca de proteção por meio de opções, o que eleva o custo de hedge contra depreciação adicional do real para o patamar mais alto em mais de um ano.

A volatilidade implícita de um mês da moeda subiu 3,3 pontos percentuais nos últimos três dias, para 20,9%, a maior desde março de 2021. O real foi a moeda com pior desempenho no mundo nesse período, com uma queda de mais de 7%. Agora o dólar se aproxima do nível psicológico chave de R$ 5,00.

Os operadores estão reduzindo as apostas na valorização do real após um forte rali que o tornou a moeda de melhor desempenho entre as principais divisas neste ano. A alta da taxa de juros no Brasil e sua economia ligada a commodities atraíram investidores estrangeiros para o mercado local, mas o rali também tornou o real mais vulnerável a uma correção, o que fica claro na oscilação da moeda nesta terça-feira. Enquanto o dólar sobe cerca de 2%, com o real liderando perdas entre os principais pares, o desempenho dos juros futuros e da bolsa no Brasil está em linha com pares.

Embora o principal impulsionador da liquidação do real seja externo, o câmbio também está sendo pressionado pela preocupação de que o Banco Central cumpra seu plano de encerrar o ciclo de aperto monetário em maio, apesar dos dados de inflação acima do esperado. A alta do dólar o BC a agir - a autoridade monetária anunciou intervenção nesta terça-feira, ofertando cerca de US$ 500 milhões em swaps cambiais. Na última sexta-feira, o banco vendeu US$ 571 milhões no mercado à vista, a primeira intervenção desse tipo neste ano.

“‘Eles têm sido bastante claros de que não estão defendendo um nível, mas suavizando flutuações´´, disse Olga Yangol, chefe de estratégia de mercados emergentes para as Américas no Credit Agricole. “Eu não espero que eles defendam R$ 5,00”.

Título em inglês:

Brazilian Real’s Selloff Spurs Rush for Hedges Through Options

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos