Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.227,09
    +94,56 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.412,47
    +211,88 (+0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,99
    -0,72 (-1,58%)
     
  • OURO

    1.814,20
    +3,00 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    17.155,40
    +81,03 (+0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    334,73
    -35,79 (-9,66%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.362,93
    -28,16 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.505,66
    -31,65 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.148,75
    -3,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3411
    +0,0012 (+0,02%)
     

Disney+ pode lançar continuação da animação clássica dos X-Men

Claudio Yuge
·6 minuto de leitura

Os anos 1990 foram especialmente decepcionantes para o mercado norte-americano de quadrinhos de super-heróis. Saturado e cheio de tramas “chocantes”, com os principais heróis da DC e da Marvel morrendo ou sofrendo algum tipo incapacitação, o setor chegou ao pior momento de sua história. E somente uma linha sobrevivia como nenhuma outra naquela época: os X-Men, que por conta de uma animação na TV viu as vendas de suas revistas aumentarem. E agora o Disney+ pode estar trazendo de volta esse desenho.

Bem, vocês devem se lembrar bem da animação noventista dos X-Men, certo? O projeto tinha muita influência da fase de Chris Claremont e Jim Lee, que no final dos anos 1980 dividiram as equipes em “Azul” e “Dourada”, com um redesenho dos uniformes. Essa fase ficou muito marcada porque o drama da “família disfuncional” com ficção científica pesada, que sempre fez parte dos mutantes, expandiu-se em diversas sagas, a exemplo do que tínhamos visto com a da Fênix Negra.

O grande mérito dos desenhos foi conseguir desatar nós de cronologia que só vêm sendo melhor resolvidos agora, com Jonathan Hickman. Assim, a chegada dos viajantes do tempo Cable e Bishop e outras linhas de narrativa mais complexas, que somente os leitores mais hardcore conheciam na época, também podiam ser curtidas por uma audiência mais ampla nas manhãs da programação da rede Globo.

Nem tudo eram flores, claro: na parte técnica, o desenho era até um pouco tosco e sofria com algumas sequências de ação, que muitas vezes nem faziam sentido; e algumas das tramas, mesmo “desenroladas” para a TV, continuaram complicadas ou sequer encerraram adequadamente — vale destacar que, mesmo com cinco temporadas e 76 episódios, essa animação vivia sob a ameaça de cancelamento.

Evidência de “continuação” foi flagrada em arte de mídia

Pois bem, várias outras animações dos X-Men chegaram ao público depois daquela dos anos 1990, mas nenhuma delas teve tanto apelo. A Marvel Comics chegou a lançar especiais em quadrinhos que tinham a mesma pegada dos desenhos, o que foi um sucesso. Até mesmo antes da chegada de Hickman, todos os títulos vinham, na verdade, fazendo um revival das coisas que mais deram certo durante o sucesso noventista.

A Disney, que não é boba, já notou essa inclinação do público para essa era e vem trabalhando em conteúdos específicos para os Filhos do Átomo. A direção vem atuando bem de perto com Kevin Feige, que agora supervisiona cinema, quadrinhos e TV. A primeira grande atração em animação que seria a “sequência espiritual” daquela dos anos 1990.

<em>Imagem: Reprodução/Cosmic Book</em>
Imagem: Reprodução/Cosmic Book

A maior evidência disso são os destaques da equipe e seus uniformes: na arte flagrada por fãs, é possível ver as mesmas assinaturas visuais de cada personagem no período de Claremont e Lee e da atração daquela época — atualizada com traços mais bem trabalhados. Obviamente que isso não confirma nada, mas por que a Disney faria uma nova arte somente para destacar o conteúdo antigo?

Além disso, Feige já mostrou ser bastante fã dessa encarnação dos pupilos de Xavier. E, dados os recentes rumores sobre os X-Men aparecendo em breve no Universo Cinematográfico Marvel (MCU, na sigla em inglês) e a popularidade da linha noventista, não se surpreenda se isso se confirmar muito em breve.

Gambit no Disney+?

Outro boato que vinha sendo bastante ventilado nos corredores do Reddit no início do ano e agora ganhou força é a possibilidade de Gambit ter uma série live-action somente sua na plataforma de streaming da Disney. De acordo com o insider Mickey Sutton, que até tem certa credibilidade no mercado, aquele projeto antigo de filme do Channing Tatum foi abandonado.

Isso porque os planos da Disney e do Marvel Studios envolvem a introdução de mutantes aos poucos no MCU — e isso já estaria acontecendo, como apontamos nesta matéria. Assim, veríamos muitos dos personagens sozinhos antes deles serem reunidos pelo Professor Xavier em X-Men. Isso faz muito sentido, porque foi exatamente o que aconteceu com os Vingadores — e, de quebra, mostra que o Quarteto Fantástico, por ser realmente uma família, sempre unida, realmente conta com uma dinâmica bem diferente.

<em>Imagem: Reprodução/Marvel.com</em>
Imagem: Reprodução/Marvel.com

Para contar toda essa história, é necessário, então, atores jovens, talentosos e que “vistam a camisa”, comprometendo-se a estar na pele desses personagens por dez anos. Por isso, nomes como Keanu Reeves e Channing Tatum, embora agradem e sejam ótimas apostas para alguns dos papéis que gostaríamos de ver, estão muito velhos para isso — além do fato de atores já estabelecidos em Hollywood não gostarem de estar atrelado somente a uma franquia durante tanto tempo.

Sutton adiantou que as primeiras conversas sobre Gambit envolvem uma série no estilo faroeste com jogatina, a exemplo de Maverick — tanto o filme quanto a atração televisiva de sucesso dos anos 50 e 60. “Gambit aparecerá nos filmes, mas não há nenhum filme solo sendo discutido. O que eles veem para o Gambit é uma série de TV do MCU para Disney +. O tom de que se fala é um western moderno, um mutante Maverick, se você preferir, com humor inteligente e ação envoltos por um sabor de Nova Orleans”, disse.

O informante também afirmou que já há até mesmo conversas sobre um ator para Gambit. “Aparentemente, o estúdio estaria buscando alguém mais jovem (do que Channing Tatum), alguém parecido com Harrison Ford, que é charmoso e pode ser também um pouco ‘rústico’”, detalhou.

Como dito, não há garantia que isso venha mesmo acontecendo, mas esses rumores vão de encontro com a movimentação que temos acompanhado no Disney+ e no Marvel Studios. E, casos estejam mesmo corretos, não seria nada mal ver um seriado de Gambit em meio a tramas de invasão e jogatina, com essa pegada faroeste na mística Nova Orleans. E, com a possibilidade de vermos Vampira em Capitã Marvel 2, o casal mutante mais shippado do planeta pode também acontecer nas telinhas.

Com informações de Cosmic Book e CheatSheet

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: