Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.833,01
    -2.257,01 (-5,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Disney+ chega a 103,6 milhões de assinantes em todo o mundo

·2 minuto de leitura

O Disney+ já possui 103,6 milhões de usuários pagantes em todo o mundo. Os números foram divulgados pela Disney nesta quinta-feira (13) e exibem crescimento acelerado do serviço, que ganhou 33,5 milhões de novos assinantes entre fevereiro e abril deste ano. Ao contrário do que se esperava, não foram necessariamente as séries originais baseadas nos heróis da Marvel o grande motor destes resultados, mas sim os esforços de expansão internacional.

Prova disso foi que boa parte do crescimento foi gerado por assinantes da Índia e Indonésia, onde o serviço de streaming chegou, respectivamente, em abril e setembro do ano passado em sistemas diferentes dos encontrados no restante do mundo. Nestas localidades, a plataforma faz parte de um pacote que inclui plataformas de conteúdo local, como a Hotstar, e canais esportivos da ESPN, o que também gerou diluição das receitas, com o gasto médio por usuário caindo de US$ 5,63 para US$ 3,99 no período.

Os resultados foram considerados positivos pela Disney, mas ficaram abaixo das expectativas do mercado, que esperava uma marca de 110 milhões de assinantes. Apesar disso, a diretora financeira da Disney, Christine McCarthy, disse estar mantida a estimativa original, da época do lançamento da plataforma de streaming, com uma meta de 230 milhões a 260 milhões de assinantes até o final de 2024.

Enquanto a chegada a novos países foi citada como alavancador dos resultados, a desaceleração do consumo, na medida em que muitos países retomam à normalidade após o controle da COVID-19, foram citadas como elementos que diminuíram a velocidade de crescimento. Além disso, a expansão para novos países, incluindo a América Latina, segue como foco, enquanto a Disney também pretende atingir boa parcela de usuários dos EUA que ainda não são assinantes da plataforma, mesmo com o recente aumento no preço da mensalidade.

O retorno dos eventos esportivos de grande porte gerou amplo crescimento para a ESPN, que viu seus números aumentarem 75% e chegou a 13,8 milhões de assinantes. Aumento, também, no Hulu, que cresceu 33% no último ano, enquanto um reajuste nos valores levou à baixa de assinantes na plataforma de TV ao vivo do serviço, com a perda de 200 mil usuários — na visão da Disney, a maioria deles optou por outras alternativas sob demanda da própria empresa, com a baixa não sendo motivo para preocupação.

De maneira geral, a perspectiva é de crescimento continuado, ainda que o ritmo de consumo continue a baixar como reflexo do retorno às atividades normais pós-pandemia em muitos países-chave para o Disney+. Por outro lado, estão a caminho novas séries originais como Loki e filmes como Viúva Negra e Cruella, que serão lançados nos cinemas e também na plataforma, exigindo um pagamento adicional que também serve para ampliar as receitas da plataforma.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos