Mercado fechará em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    121.790,01
    -119,02 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.242,44
    -624,71 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,02
    +0,10 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.835,70
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    55.839,58
    -1.981,51 (-3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.496,85
    +1.254,17 (+516,80%)
     
  • S&P500

    4.138,80
    -49,63 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.172,16
    -570,66 (-1,64%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.295,25
    -61,50 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3470
    +0,0068 (+0,11%)
     

Discussão sobre fim gradual da compra emergencial de títulos pelo BCE é prematura, diz Lagarde

·1 minuto de leitura
Presidente do BCE, Christine Lagarde

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu não discutiu nesta quinta-feira qualquer encerramento gradual do enorme programa de compra de títulos que está conduzindo para ajudar a compensar o impacto econômico da pandemia do coronavírus, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde.

O BCE aumentou o tamanho semanal do Programa de Compras de Emergência da Pandemia (PEPP, na sigla em inglês) em um quarto desde sua reunião de março, de forma a manter o crédito barato para governos, empresas e famílias da zona do euro.

Durante sua reunião de política monetária desta quinta-feira, o conselho do banco "não discutiu qualquer encerramento gradual do PEPP porque seria simplesmente prematuro", disse Lagarde em entrevista coletiva após a reunião.

Qualquer mudança no ritmo do programa é "dependente de dados" e não está vinculada a um determinado período de tempo, acrescentou ela.

Alguns analistas esperavam que o BCE comprasse mais do que os 18,2 bilhões de euros em títulos que arrecadou em média nas últimas cinco semanas, e começaram a duvidar de seu compromisso com um "ritmo significativamente maior" de compras.

Esse compromisso permanece totalmente em vigor, disse Lagarde.

(Por Francesco Canepa e John Stonestreet)