Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.356,00
    +2.315,65 (+5,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Disco formando luas ao redor de planeta distante é observado pela primeira vez

·2 minuto de leitura

Em maio de 2020, astrônomos confirmaram a existência de dois planetas em fases iniciais de desenvolvimento. Aquela foi a primeira oportunidade que pesquisadores tiveram de acompanhar a formação de novos mundos em um sistema multiplanetário. Agora, pouco mais de um ano depois, foi encontrado um disco circumplanetário ao redor de um destes mundos, com material suficiente para formar três satélites do tamanho da nossa Lua.

Para distinguir o disco em torno do exoplaneta PDS 70c, foi necessária uma resolução muito melhor que as imagens do sistema obtidas em 2020 pelo Observatório WM Keck em Maunakea, no Havaí. Dessa vez, o instrumento utilizado foi o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), um radiotelescópio de interferometria composto por 66 antenas. Com a nova imagem, ficou evidente a presença de um disco associado ao planeta.

Imagem do sistema PDS 70 obtida pelo ALMA, com destaque para o planeta PDS 70c e seu próprio disco circumplanetário (Imagem: Reprodução/ALMA/ESO/NAOJ/NRAO/Benisty)
Imagem do sistema PDS 70 obtida pelo ALMA, com destaque para o planeta PDS 70c e seu próprio disco circumplanetário (Imagem: Reprodução/ALMA/ESO/NAOJ/NRAO/Benisty)

De acordo Myriam Benisty, principal pesquisadora da equipe que fez a descoberta, o trabalho “mostra uma detecção clara de um disco onde satélites podem estar se formando”. O estudo foi publicado hoje na revista The Astrophysical Journal Letters. “Estas observações foram obtidas pelo ALMA e possuem uma tal resolução que pudemos identificar claramente que o disco está associado ao planeta”.

Além disso, o grupo também conseguiu medir, pela primeira vez, os limites o tamanho do disco circumplanetário. O exoplaneta PDS 70c é um dos dois planetas desse sistema estelar, que fica a quase 400 anos-luz de distância da Terra. Ambos os mundos são gigantes com características semelhantes às de Júpiter e são bastante jovens, assim como a própria estrela PDS 70. O disco ao redor do PDS 70c tem tamanho equivalente à distância entre a Terra e o Sol.

Este sistema é valioso para a astronomia porque até agora, entre os já descobertos, trata-se do único ainda em processo de formação. Os cientistas sabem que os planetas e suas luas se formam a partir do disco protoplanetário ao redor de suas estrelas, mas ainda há muitas perguntas para responder. “Ainda não é claro quando, onde e como é que os planetas e as suas luas se formam”, diz Stefano Facchini, bolsista do ESO, também envolvido neste trabalho. “Este sistema, portanto, nos oferece uma oportunidade única para observar e estudar os processos de formação de planetas e satélites”, acrescentou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos