Mercado abrirá em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,43
    +0,98 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.716,60
    -4,20 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    19.983,56
    -233,75 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,50
    -8,63 (-1,86%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    7.007,15
    +9,88 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.494,75
    -47,00 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0977
    -0,0158 (-0,31%)
     

Dirigentes do Fed pedem mais altas de juros sem dizer quanto

(Bloomberg) -- Autoridades do Federal Reserve enfatizaram a necessidade de continuar o aumento de juros, embora tenham evitado comentar sobre o tamanho da alta na reunião do mês que vem.

A presidente do Fed de Kansas City, Esther George, em entrevista em Jackson Hole, no Wyoming, onde ela organiza o retiro anual de política monetária do BC americano, disse que a autoridade monetária ainda não aumentou juros para níveis que estão pesam na economia e pode ter que elevar a taxa básica acima de 4% por um tempo.

“É muito importante que sejamos claros em nossa comunicação sobre para onde estamos indo”, disse ela a Michael McKee e Kathleen Hays em entrevista à Bloomberg Television.

“Temos que aumentar as taxas de juros para desacelerar a demanda e trazer a inflação de volta à nossa meta”, disse George, que vota sobre política monetária este ano.

Os comentários de George ajudaram a preparar o terreno para dois dias cheios de falas de autoridades do Fed, que serão encabeçados na sexta-feira pelo presidente Jerome Powell com um discurso que provavelmente reafirmará sua determinação de continuar apertando a política monetária para combater a inflação.

O banco central americano vem aumentando juros rapidamente para conter as pressões de preços mais fortes em 40 anos. Os preços ao consumidor dos EUA subiram 8,5% nos 12 meses até julho. A meta do Fed se baseia em um indicador diferente, chamado índice de preços de gastos de consumo pessoal, que subiu 6,8% no ano até junho.

Questionada sobre até que ponto o Fed deveria elevar o custo do dinheiro, George disse que havia “mais espaço para subir” e rebateu as apostas do mercado financeiro de que o banco central começaria a cortar juros no próximo ano.

“Acho que teremos que segurar – pode ser mais de 4%. Acho que isso não está fora de questão”, disse ela. “Eu acho que não dá para saber até que você comece a observar os sinais dos dados.”

As autoridades do Fed elevaram a taxa básica em 0,75 ponto percentual em cada uma das duas últimas reuniões e disseram que um aumento igual pode estar na mesa quando se reunirem no próximo mês, dependendo dos dados. Eles terão novas leituras sobre preços ao consumidor e emprego até a reunião.

O presidente do Fed da Filadélfia Patrick Harker, falando em entrevista à CNBC, também disse que os juros precisam subir para um território restritivo.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.