Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.192,49
    +1.150,02 (+1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.271,81
    +366,75 (+0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,91
    +0,49 (+1,16%)
     
  • OURO

    1.835,20
    -37,20 (-1,99%)
     
  • BTC-USD

    18.308,58
    -146,17 (-0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    361,75
    +0,32 (+0,09%)
     
  • S&P500

    3.569,30
    +11,76 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    29.504,61
    +241,13 (+0,82%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.888,75
    -17,00 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4492
    +0,0693 (+1,09%)
     

Diretores de varejo e atacado do Itaú deixarão seus cargos em fevereiro, dizem fontes

ISABELA BOLZANI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) -As mudanças na alta gestão do Itaú Unibanco continuam. Márcio Schettini, diretor-geral de varejo e Caio Ibrahim David, diretor-geral de atacado e presidente do Itaú BBA, vão deixar o banco. Ambos se desligam da instituição em 2 de fevereiro, mesma data de despedida de Candido Bracher, atual presidente da instituição. Na avaliação de fontes do mercado, que preferem não serem citadas, trata-se de um movimento natural quando ocorre uma troca de comando. Há uma semana, o banco anunciou a escolha de Milton Maluhy Filho como sucessor no comando do Itaú Unibanco. Schettini e Ibrahim David eram dois dos nomes cotados junto a Maluhy para assumir a presidência do banco. O vice-presidente de tecnologia, André Sapoznik, também estava no páreo. Bracher precisa deixar o cargo pela regra adotada pela instituição, que impõe a idade limite de 62 anos para o presidente. O executivo chegará a essa idade em dezembro. Após a transição, Bracher retornará ao Conselho de Administração do Itaú Unibanco. Ele ocupa o cargo de presidente desde 2017, quando sucedeu Roberto Setubal, membro de uma das famílias controladoras do banco e que ficou no posto de presidente-executivo do banco por 23 anos.