Mercado fechará em 5 h 20 min
  • BOVESPA

    127.777,09
    -280,12 (-0,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.993,29
    -209,51 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,95
    +0,91 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.773,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    36.854,04
    -2.011,50 (-5,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    911,23
    -28,72 (-3,06%)
     
  • S&P500

    4.184,98
    -36,88 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    33.366,46
    -456,99 (-1,35%)
     
  • FTSE

    7.022,98
    -130,45 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9788
    +0,0163 (+0,27%)
     

Diretores negros ganham espaço em empresas nos EUA

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O número de pessoas negras nomeadas para assentos em diretorias de empresas aumentou no ano passado, embora isso possivelmente tenha ocorrido às custas de outros grupos, já que a representação entre mulheres e latinos entre os novos diretores caiu.

A porcentagem de novos diretores negros na lista Fortune 500 quase triplicou para cerca de 28%, à medida que a participação dos diretores latinos caiu e as mulheres ganharam menos cadeiras, de acordo com relatório da empresa de recrutamento de executivos Heidrick & Struggles. Os diretores brancos tiveram a menor porcentagem de novos assentos nos 12 anos em que a análise é conduzida.

Os protestos que se seguiram ao assassinato de George Floyd pela polícia no ano passado pressionaram as empresas a contratar mais diretores negros como parte de um enfoque mais amplo nas disparidades raciais na força de trabalho e nos cargos executivos. Cerca de três quartos das nomeações de pessoas negras vieram após a morte de Floyd, disse o relatório. Ativistas em prol das mulheres e latinos também têm defendido maior representação, já que expressaram preocupação de que o aumento do foco em um grupo possa prejudicar outros.

A BlackRock e o Vanguard Group têm votando contra diretores de empresas que não têm mulheres em seus conselhos, e o CEO do Goldman Sachs, David Solomon, disse no ano passado que a empresa não fará a abertura de capital de empresas nos EUA e Europa se não tiver um diretor diverso ou mulher na direção. As leis da Califórnia também têm requisitos de diversidade e gênero para diretores em empresas sediadas no estado.

As empresas também somaram mais mulheres e minorias a seus conselhos no ano passado em reação a uma proposta da Nasdaq Inc. que exigiria que as empresas listadas tivessem pelo menos uma mulher e um diretor sub-representado, ou tivessem que explicar por que não o fazem. A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA vai decidir em agosto pela aprovação da proposta.

As mulheres - que representaram 41% dos membros dos conselhos na Fortune 500 no ano passado, ante um recorde de 44% em 2019 - não alcançarão a paridade até 2023, um ano depois do estimado anteriormente, disse a Heidrick. Os diretores latinos caíram um ponto percentual para 4% dos novos diretores em 2020, enquanto os diretores asiáticos melhoraram um ponto percentual para 9%, de acordo com os dados.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos