Mercado abrirá em 2 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,00
    -0,71 (-1,55%)
     
  • OURO

    1.812,80
    +7,30 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    16.983,99
    -995,18 (-5,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    331,89
    -38,62 (-10,42%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.357,96
    -33,13 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.188,25
    +36,00 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3329
    -0,0048 (-0,08%)
     

Diretores de estatais têm remuneração de até R$ 2,9 milhões ao ano

BERNARDO CARAM
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Levantamento divulgado nesta sexta-feira (20) pelo Ministério da Economia aponta que gestores de empresas estatais têm remunerações que alcançam R$ 2,9 milhões ao ano, o que equivale a uma renda mensal de aproximadamente R$ 240 mil. No caso dos empregados concursados das companhias públicas federais, o salário mensal médio por estatal chega a R$ 31,3 mil. Os números fazem parte do Relatório Agregado das Empresas Estatais Federais, elaborado pela secretaria de Desestatização do Ministério da Economia, órgão que cuida das privatizações do governo. O documento reúne dados sobre patrimônio, receitas, pessoal e salários em 46 estatais de controle direto da União. O pagamento mais alto entre as companhias listadas está na Petrobras. O valor médio da remuneração anual de um diretor executivo foi de R$ 2,9 milhões em 2019, segundo o relatório. No Banco do Brasil, a remuneração média individual na diretoria executiva é de R$ 1,6 milhão ao ano. No caso da Eletrobras, um diretor executivo recebe em média R$ 1 milhão ao ano. No Banco do Nordeste, o pagamento anual para a mesma função é de R$ 958 mil. As quatro companhias têm capital aberto, com ações negociadas na bolsa de valores, embora o governo detenha participação majoritária. Remunerações elevadas, no entanto, também estão presentes em companhias fechadas, com controle total da União. Na Caixa Econômica Federal, por exemplo, o presidente Pedro Guimarães tem um salário mensal fixo de R$ 56 mil, mas recebe remuneração variável que chega a R$ 450 mil ao ano. No BNDES, o salário do presidente Gustavo Montezano é de R$ 80,8 mil mensais, além de até R$ 242 mil anuais em remuneração variável. No topo do ranking das estatais com o maior salário médio para empregados está a PPSA (Pré-Sal Petróleo S.A.), que atua na gestão da produção de óleo e gás natural no pré-sal. Em média, seus funcionários recebem R$ 31,3 mil por mês. A companhia é alvo do plano de privatização do ministro Paulo Guedes (Economia). Em segundo lugar, está o BNDES, com salário mensal médio de R$ 29 mil para os empregados. A terceira posição das maiores remunerações médias fica com a Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba). A Codevasf é dependente da União. Isso significa que as receitas não são suficientes para seu sustento e o Tesouro precisa fazer aportes de recursos para manter o funcionamento. Entre 2015 e 2019, o governo teve de repassar R$ 2,7 bilhões para a companhia. A privatização de estatais é um dos eixos prioritários da pauta liberal do ministro Paulo Guedes (Economia). Desde o início do governo Jair Bolsonaro, no entanto, essa agenda está travada e nenhuma empresa foi privatizada. Se mostrando decepcionado com a lentidão do processo, o então secretário Salim Mattar, que cuidava das privatizações, pediu demissão em agosto. Hoje, a secretaria é comandada por Diogo Mac Cord. Um dos itens na lista de venda é a Eletrobras, companhia que o governo tenta se desfazer desde a gestão do então presidente Michel Temer (MDB). Nos últimos meses, Guedes vem dizendo que um acordo político feito entre partidos e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), travou a pauta de privatizações. O ministro afirma, no entanto, que espera privatizar quatro estatais em 2021: Correios, Porto de Santos, Eletrobras e PPSA.