Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.145,39
    +268,11 (+0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Diretora da OMC diz que barreiras comerciais relacionadas à pandemia estão aumentando

·1 minuto de leitura
Ngozi em entrevista com a Reuters na sede da OMC, Genebra

Por Emma Farge

GENEBRA (Reuters) - A diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) disse nesta segunda-feira que as barreiras comerciais relacionadas a suprimentos médicos usados contra a Covid-19 aumentaram e pediu aos Estados-membros a derrubada dessas barreiras, uma vez que isso intensificou os esforços para chegar a um acordo sobre o compartilhamento de vacinas.

"A tendência está indo na direção errada", disse a diretora-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, em fórum virtual da ONU, referindo-se às barreiras ao comércio de mercadorias relacionadas à pandemia.

"Precisamos derrubar essas restrições para que possamos transportar... produtos, suprimentos médicos e vacinas (mais rapidamente)."

Ela disse que o número de restrições ao comércio era 109 no começo da pandemia no início do ano passado, e depois caiu para 51, mas desde então aumentou novamente para 53.

No mesmo evento, ela pediu aos membros da OMC que cheguem a um acordo até julho para melhorar o acesso às vacinas contra a Covid-19, após meses de negociações sobre a renúncia de patente das indústrias farmacêuticas. A maioria dos países em desenvolvimento apoia a isenção, mas vários países ricos continuam fortemente contra, dizendo que isso deterá pesquisas que permitiram a produção tão rápida de vacinas.

"Vai ser difícil porque ainda existem diferenças, mas esperamos poder chegar a uma abordagem pragmática", disse Okonjo-Iweala. "Estou com pressa e quero que cheguemos a um acordo até julho porque vidas são importantes."

(Por Emma Farge)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos