Mercado abrirá em 7 h 50 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,60
    +2,11 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.670,50
    -1,50 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    19.104,57
    -220,21 (-1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,14
    -9,29 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.090,64
    +153,43 (+0,59%)
     
  • NASDAQ

    10.973,25
    -62,25 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Diretor financeiro da Bed Bath & Beyond morre após queda em Nova York

Logotipo da Bed Bath & Beyond em uma loja da empresa em Manhattan, Nova York

Por Kanishka Singh e Akriti Sharma

(Reuters) - O diretor financeiro da Bed Bath & Beyond morreu ao cair de um arranha-céu em Nova York na tarde de sexta-feira, disse a polícia no domingo, dias após o varejista anunciar que estava fechando lojas e demitindo trabalhadores.

Gustavo Arnal, 52, ingressou na empresa em 2020, após ter trabalhado como diretor da marca de cosméticos Avon em Londres e de 20 anos na Procter & Gamble, segundo seu perfil no LinkedIn.

A polícia não forneceu mais detalhes sobre as circunstâncias que levaram à morte de Arnal e disse que o gabinete do Médico Legal da cidade de Nova York determinará a causa da morte. A empresa confirmou a morte no domingo, mas não deu detalhes.

Na semana passada, a Bed Bath & Beyond anunciou o fechamento de 150 lojas, cortes de empregos e reformulação da estratégia de merchandising, numa tentativa de reverter negócios deficitários.

Arnal vendeu 55.013 ações da Bed Bath & Beyond em várias transações nos dias 16 e 17 de agosto, mostraram os cálculos da Reuters com base nos registros da SEC. As vendas somaram cerca de 1,4 milhão de dólares, e Arnal ainda tinha quase 255.400 ações restantes.

Em 23 de agosto, a empresa, Arnal e o principal acionista Ryan Cohen foram acusados de inflacionar artificialmente o preço das ações da empresa, além da alegação de que Arnal vendeu suas ações a um preço mais alto após o esquema.