Mercado abrirá em 3 h 46 min

Diretor de farmacêutica diz a equipe de vendas que profissional do setor tem mais imunidade

JOANA CUNHA, FILIPE OLIVEIRA E MARIANA GRAZINI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em um vídeo enviado à equipe de vendas da gigante farmacêutica Hypera sobre como preservar a produtividade durante a crise do coronavírus, um diretor da companhia afirmou que os profissionais da indústria de medicamentos têm mais imunidade.

A fala repercutiu mal no setor, que avaliou a iniciativa como falta de rigor em um momento delicado de pandemia.

"Nós somos pessoas da indústria farmacêutica, já somos cascudos sobre esse aspecto de saber como se proteger, de como ser safo. E modéstia à parte, eu acho que nós também, pelo histórico de estar presente muito nesses ambientes, eu acho que até a nossa imunidade fica reforçada", disse Antonio Ziemba, diretor de demanda na Hypera, no vídeo destinado à equipe de propaganda médica, que visita consultórios para promover os produtos da empresa.

No contexto do vídeo, Ziemba prevê que alguns hospitais e médicos restringirão as visitas dos profissionais de propaganda médica e diz que a queda de produtividade nas visitas pode comprometer a geração de receita da companhia.

"Todos temos que estar cientes de que se, em função do corona, nós diminuirmos nossa produtividade do trabalho, isso pode vir a afetar nossa demanda geral. Se não alcançar esses objetivos, perdem todos. Perde a companhia e perdemos nós também. Porque nos nossos objetivos temos que cumprir porque gera premiação", diz o executivo.

Ele estimula os profissionais a usarem máscara e álcool em gel.

Procurada, a Hypera diz, em nota, que o conteúdo do vídeo não representa a posição da companhia e que está tomando medidas para preservar a saúde de seus colaboradores e da comunidade médica.

"Dentre as medidas já adotadas para sua equipe de demanda médica, estão o cancelamento de eventos médicos e visitas a hospitais e clínicas de alta concentração de pessoas, além da paralisação da atividade de colaboradores que fazem parte de grupos de risco ou que apresentem sintomas", afirma o comunicado da farmacêutica.