Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,56
    +2,13 (+1,96%)
     
  • OURO

    1.809,00
    +7,50 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    19.883,14
    +565,55 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.603,00
    -8,25 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5456
    -0,0131 (-0,24%)
     

Diretor da Microsoft Brasil fala do 'dilema' do trabalho híbrido; confira

Ferramentas tecnológicas deram suporte para que muitas empresas garantissem (e, em muitos casos, aumentassem) a produtividade de suas equipes através do trabalho remoto durante a pandemia de Covid-19. Desde fevereiro de 2020, o tempo semanal em reuniões para os usuários da plataforma Microsoft Teams, por exemplo, aumentou 252%.

Em um momento de gradual retorno aos escritórios, Ricardo Wagner, diretor de Trabalho Moderno e Segurança da Microsoft Brasil, avalia os ganhos que o modelo de trabalho híbrido trouxe aos profissionais e também às organizações e fala sobre o dilema de somar o conforto que o modelo remoto permitiu e a interação social.

O paradoxo do híbrido

Segundo o executivo, a perspectiva de poder trabalhar além do escritório criou uma nova dinâmica e uma nova demanda de profissionais que preferem trabalhar de casa. De acordo com um relatório de 2022 da Microsoft, intitulado “Grandes Expectativas: permitindo que o trabalho híbrido funcione.”, 34% dos gestores brasileiros entrevistado dizem que a liderança em sua empresa está desalinhada com as expectativas dos funcionários e 38% dos funcionários híbridos globais entrevistados dizem que seu maior desafio é saber quando e por que ir até o escritório.

Ricardo Wagner acredita que o modelo híbrido carrega o paradoxo entre o conforto de trabalhar de casa e a necessidade de interação entre os funcionários e de reconstrução do capital social das organizações. “O fato de você ir presencialmente não tira o aspecto do ganho da produtividade no uso de ferramentas como o Microsoft Teams”, afirma o diretor de Trabalho Moderno e Segurança.

Ainda de acordo com Wagner, a eficiência do trabalho moderno é hoje um aspecto mais humano do que tecnológico. Uma vez que a tecnologia já oferece ferramentas para facilitar e potencializar reuniões presenciais ou remotas, ele acredita que o que determina a qualidade dessas conversas é a disponibilidade que cada pessoa oferece verdadeiramente para cada encontro. “Independente do cenário, é preciso que a pessoa esteja genuinamente presente para aquela conversa”, afirma Wagner.

Comunicação e gestão

Microsoft Viva pode contribuir para que as organizações de posicionem neste trabalho moderno. (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
Microsoft Viva pode contribuir para que as organizações de posicionem neste trabalho moderno. (Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Do ponto de vista tecnológico, Ricardo Wagner também destaca plataformas de experiência do funcionário (EXPs), como o Microsoft Viva, que podem contribuir, no aspecto de cultura para que as organizações de posicionem neste trabalho moderno. De acordo com ele, o Viva traz informações quantitativas do Microsoft 365 combinadas com informações qualitativas para auxiliar na comunicação e na gestão do fluxo de trabalho.

Além de identificar comportamentos e recomendar ações, como, por exemplo, sugerir que os e-mails sejam lidos em determinados horários do dia para tornar a rotina de trabalho mais produtiva; o Viva também detecta com qual frequência o gestor está se conectando com o seu time e também oferece informações personalizadas a cada funcionário para que ele ganhe habilidades condizentes com a sua função.

Do marketing ao trabalho moderno

Ricardo Wagner é diretor de Trabalho Moderno e Segurança da Microsoft Brasil. Antes de assumir o atual cargo, atuou na subsidiária do Canadá, na área de Marketing de Produto, auxiliando clientes corporativos e pequenas e médias empresas. No Canadá, Ricardo foi pioneiro em um novo movimento de vendas para envolver e nutrir relacionamento com os clientes por meio da Acessibilidade. Antes de ingressar na Microsoft Canadá, trabalhou por cinco anos na Microsoft Brasil, onde ocupou cargos de direção em Windows e Dynamics. O executivo já teve passagem pela Hewlett Packard (HP) onde trabalhou por sete anos nas áreas de vendas e marketing. Ricardo é formado em Economia pela Universidade Mackenzie e possui MBAs em Marketing pela ESPM e Gestão pela FGV.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos