Mercado abrirá em 9 h 22 min
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,41 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,82
    -0,11 (-0,12%)
     
  • OURO

    1.787,80
    -7,80 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    24.334,16
    +1.419,76 (+6,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    573,59
    +42,37 (+7,98%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,11 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.507,11
    +18,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.930,64
    +319,80 (+1,63%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.443,50
    +51,50 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2415
    -0,0049 (-0,09%)
     

Diretor da Caixa é encontrado morto na sede do banco em Brasília

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um diretor da Caixa Econômica Federal foi encontrado morto nesta quarta-feira (20) na sede do banco em Brasília. Sergio Ricardo Faustino Batista era diretor-executivo de Controles Internos e Integridade da instituição.

As causas da morte estão sendo investigadas pela PCDF (Polícia Civil do Distrito Federal), mas a apuração preliminar indica tratar-se de um caso de suicídio. O banco afirmou que está contribuindo com as autoridades e prestando apoio aos familiares e amigos do funcionário.

"A Caixa manifesta profundo pesar pelo falecimento do empregado Sérgio Ricardo Faustino Batista. Nossos sinceros sentimentos aos amigos e familiares, aos quais estamos prestando total apoio e acolhimento. O banco contribui com as apurações para confirmar as causas do ocorrido", afirmou a empresa.

Segundo a Polícia Civil, o caso foi preliminarmente tipificado como suicídio "em razão da vítima ter sido encontrada já sem vida no lado externo do prédio sede da Caixa Econômica Federal".

Batista estava à frente da Diretoria de Controles Internos e Integridade desde março. A diretoria é responsável pelo canal de denúncias e é a primeira do banco a receber os relatos de assédio e outras irregularidades enviados por funcionários a uma empresa externa contratada pela Caixa.

O episódio ocorre em meio às repercussões de uma série de denúncias contra o ex-comando da empresa. Desde que acusações de assédio sexual e moral contra o ex-presidente Pedro Guimarães vieram à tona, o MPT (Ministério Público do Trabalho) e o TCU (Tribunal de Contas da União) abriram procedimentos para investigar o que ocorria na Caixa.

A acusação de assédio contra Pedro Guimarães também está sendo investigada pela Procuradoria da República no Distrito Federal. Ele deixou o cargo em 29 de junho.

Na terça-feira (19), o banco anunciou mudanças na corregedoria e afastou dois nomes ligados ao ex-presidente: Antonio Carlos Ferreira de Sousa, ex-vice-presidente de Logística e Operações, e Camila de Freitas Aichinger, ex-vice da Rede de Varejo.

A corregedoria deixará de ser subordinada à presidência e será ligada ao Conselho de Administração —formado também por membros independentes e um representante dos empregados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos