Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.089,08
    +687,18 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Direção da PF barra promoção de delegado de caso Salles para cargo de chefia

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A cúpula da Polícia Federal barrou a nomeação do delegado Franco Perazzoni para o cargo de comando da área de Investigação e Combate ao Crime Organizado na superintendência em Brasília.

A promoção de Perazzoni estava acertada e o processo para nomeação foi enviado, mas paralisado após a operação Akuanduba, comandada por ele, fazer buscas em endereços do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) em maio.

Como ele estava ocupando o cargo na superintendência do Distrito Federal, dois processos foram iniciados pelo chefe da PF no DF ao mesmo tempo: o de desligamento da atual chefia e o de promoção. A direção-geral, no entanto, deu andamento ao primeiro e segurou o segundo.

A forma como a cúpula da PF barrou a promoção foi vista por integrantes do órgão como represália ao delegado por causa da ação contra Salles.

A direção da PF foi informada da operação, mas criticou o fato de a comunicação ter sido incompleta. Também houve queixa de que a investigação não deveria estar no DF, mas sim na unidade central.

Deflagrada em 19 de maio, a Akuanduba foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, que ordenou sigilo absoluto no caso até o cumprimento das medidas. A operação apurou suposto esquema de facilitação à exportação ilegal de madeira do qual Salles faria parte.

A Procuradoria-Geral da República também não foi informada com antecedência sobre os preparativos das buscas e diligências feitas pela PF.

Salles também é alvo de um inquérito que investiga sua suposta atuação para atrapalhar a apuração da maior apreensão de madeira do Brasil, feita na Operação Handroanthus.

Perazzoni é considerado um dos melhores delegados da área de ambiente da PF e é respeitado internamente. Caso fosse nomeado, ele seria o número 3 na PF do Distrito Federal e chefiaria toda a área de investigação da superintendência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos