Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.202,70
    +1.069,29 (+2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Diplomatas da UE dizem que cabe ao Brasil salvar acordo comercial do Mercosul

Anthony Boadle
·2 minuto de leitura
Embaixador Ignacio Ybañez

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA (Reuters) - O tratado de livre comércio firmado entre a União Europeia e o Mercosul não será assinado se o Brasil não der passos concretos para a redução do desmatamento na Amazônia, disseram nesta quarta-feira embaixadores europeus.

"Precisamos de fatos... Se não tem avanços no vai ser possível assinar o acordo", disse a repórteres Ignacio Ybañez, embaixador da UE no Brasil.

Se isso não acontecer, a Comissão Europeia não poderá apresentar ao Parlamento Europeu o acordo que demorou duas décadas para ser negociado para ratificação, afirmou.

"Vamos continuar a ser exigentes com Brasil para ter resultados concretos. O Brasil sabe do trabalho que tem que fazer", disse Ybañez.

Em um avanço contra o protecionismo, a UE concordou em junho de 2019 em criar uma área de livre comércio de 700 milhões de pessoas com o bloco comercial sul-americano Mercosul, que é formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

Mas a França e o Parlamento Europeu desde então tem liderado uma oposição a finalizar o tratado, dizendo que o Mercosul precisa fazer mais para cumprir seus compromissos climáticos sob o Acordo de Paris e que o Brasil está falhando no combate ao desmatamento na Amazônia.

O desmatamento na maior floresta tropical do mundo tem aumentado desde que o presidente Jair Bolsonaro, que defende abertura de mais áreas da Amazônia ao desenvolvimento, assumiu o cargo em 2019. A destruição na porção brasileira da Amazônia atingiu nível mais alto em 12 anos no ano passado.

O governo brasileiro não pôde ser contatado imediatamente para comentar as declarações do enviado da UE, mas rejeita as críticas de que não está fazendo o suficiente para conter o desmatamento na Amazônia, proteger o meio ambiente e prevenir as mudanças climáticas. Argumenta que a pressão da UE sobre o Brasil vem de interesses protecionistas.

Diplomatas da UE buscam superar a resistência na Europa negociando uma declaração complementar que reafirme o compromisso do Mercosul e dos países da UE com a sustentabilidade e as metas ambientais.

Portugal, que ocupa a presidência da UE, espera que uma parceria estratégica e seus laços históricos e culturais com o Brasil possam ajudar a influenciar o governo brasileiro a assumir os compromissos.

“O Brasil tem que explicar em concreto que está a ser feito”, disse o embaixador de Portugal no Brasil, Luís Faro Ramos.