Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.435,58
    +2.133,75 (+4,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Diplomacia global age para impedir petróleo acima de US$ 100

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Ao longo do último ano, os países consumidores de petróleo ficaram mais apreensivos com o avanço de preços do barril: primeiro para US$ 50, depois US$ 75 e agora mais de US$ 85. Quando Vladimir Putin, o presidente russo que é um dos líderes do cartel Opep+, alertou que US$ 100 era uma possibilidade, os alarmes realmente soaram.

Most Read from Bloomberg

Em um contexto de alta da inflação que força alguns bancos centrais a subir juros antes do esperado, EUA, Índia, Japão e outros países consumidores estão fazendo a maior pressão diplomática em anos sobre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados.

A portas fechadas, uma intensa campanha está em curso para convencer a Opep+ a acelerar o crescimento da produção, de acordo com vários diplomatas e integrantes do setor envolvidos nas conversas. O cartel, que se reúne virtualmente em 4 de novembro para revisão de suas políticas, atualmente aumenta a produção a um ritmo de 400.000 barris diários por mês.

Os esforços em caráter particular se somam aos recentes apelos públicos. O governo do presidente americano Joe Biden está preocupado com o aumento do preço da gasolina para o maior nível em 7 anos e há semanas vem pedindo que a Opep+ produza mais petróleo.

Em uma iniciativa incomum, o Japão, quarto maior consumidor mundial de petróleo, se juntou a essa campanha no final de outubro, marcando a primeira ação do tipo pelo governo em Tóquio desde 2008. A Índia, o terceiro maior consumidor, também pediu aumento da produção do combustível. A China se cala em público, mas é igualmente ativa a portas fechadas, de acordo com os diplomatas.

“Estamos em uma crise energética”, disse Amos Hochstein, o principal diplomata dos EUA para o setor, ecoando uma opinião amplamente defendida pelas grandes nações consumidoras de petróleo. “Os produtores precisam assegurar que os mercados de petróleo e gás estejam equilibrados.”

Autoridades americanas, japonesas e indianas conversaram discretamente entre si e abordaram outros grandes consumidores e produtores de petróleo. Os contatos começaram três semanas atrás, mas se intensificaram nos últimos dias, depois que o barril passou de US$ 85.

O governo japonês está “pedindo aos países produtores de petróleo do Oriente Médio que aumentem a produção”, afirmou Tsutomu Sugimori, presidente da Associação de Petróleo do Japão. “Esperamos que os países produtores de petróleo, incluindo a Opep, tomem as providências adequadas para não impedir a completa recuperação da economia mundial.”

Até o momento, Arábia Saudita e outros países se recusaram a acelerar o passo, argumentando que os acréscimos mensais de 400.000 barris diários bastam para satisfazer o apetite por petróleo em uma economia global que ainda sofre com as consequências da pandemia.

“Ainda não estamos fora de perigo”, disse o ministro de Energia da Arábia Saudita, o príncipe Abdulaziz bin Salman, em entrevista à Bloomberg Television na última semana. “Precisamos ter cuidado. A crise está contida, mas não necessariamente encerrada.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos