Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,41
    -1,25 (-1,51%)
     
  • OURO

    1.797,90
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    58.768,32
    -2.042,27 (-3,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.404,49
    -69,84 (-4,74%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.751,05
    -347,19 (-1,19%)
     
  • NASDAQ

    15.618,50
    +31,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4185
    -0,0062 (-0,10%)
     

Dinossauros bípedes abanavam a cauda para andar melhor, diz estudo

·1 minuto de leitura

Um dos maiores desafios dos paleontólogos é decifrar como os dinossauros mexiam seus corpos e como andavam. Em uma dessas pesquisas, cientistas conseguiram replicar os movimentos dessas criaturas com a ajuda da biomecânica computacional e do que é chamado de simulação preditiva.

Esse grupo de pesquisadores simulou os movimentos de um dinossauro do gênero Celófise, que andava sobre duas pernas. Com isso, eles descobriram que, enquanto caminhavam ou corriam, eles também balançavam a cauda de forma semelhante a como os humanos balançam os braços. Os cientistas reproduziram também como diferentes músculos interagiam durante essa movimentação, analisando como a marcha e o impulso eram afetados pelo balanço da cauda.

<em> Imagem: Reprodução/Bishop et al., Sci. Adv. 2021; 7: eabi7348</em>
Imagem: Reprodução/Bishop et al., Sci. Adv. 2021; 7: eabi7348

Para ter certeza que o modelo estava funcionando de forma consistente, os pesquisadores fizeram a comparação com o andar de pássaros da família Tinamida, que contam com uma anatomia parecida com a dos dinossauros bípedes. Esse experimento mostrou que a causa era responsável por controlar a eficiência da caminhada e reduzir a tensão muscular do corpo, e eles acreditam que o mesmo acontecia com outros tipos de dinossauros. Os paleontólogos dizem que, anteriormente, acreditava-se que a cauda era somente um contrapeso passivo para compensar o peso da cabeça e do pescoço.

No experimento, os pesquisadores chegaram a remover a cauda do dinossauro para analisar como ele caminharia dessa forma, e descobriram que ele precisaria movimentar a pélvis de forma diferente para compensar essa perda. Além disso, sem a cauda, o esforço muscular aumentaria em 18%, significando que, com a cauda, o gasto de energia era menor. Com ela balançando fora de sincronia, também seria preciso usar mais energia para caminhar ou correr na velocidade necessária.

O estudo foi publicado na revista científica Science Advances.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos