Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.705,43
    +751,06 (+2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Digitalização puxa alta de 2,4% do setor de serviços em novembro

·5 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A retomada do setor de serviços no Brasil segue influenciada pelo avanço de negócios relacionados à digitalização de empresas. Em novembro de 2021, o quadro não foi diferente, indicam dados divulgados nesta quinta-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na comparação com outubro, o volume do setor cresceu 2,4%, puxado pela atividade de serviços de informação e comunicação, que inclui a área de tecnologia da informação.

A alta do setor de serviços veio após dois meses consecutivos de queda. Com o avanço em novembro, o segmento recuperou a perda de 2,2% que havia sido acumulada em setembro e outubro, afirma o IBGE.

A alta veio bem acima das expectativas do mercado financeiro. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam leve avanço de 0,2% no mês.

O resultado de 2,4% é a maior alta desde fevereiro de 2021 (4%). Assim, o setor ficou 4,5% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro de 2020.

A prestação de serviços, contudo, ainda opera 7,3% abaixo do recorde da série histórica, alcançado em novembro de 2014.

O setor envolve uma grande variedade de negócios, de bares, restaurantes, hotéis, salões de beleza e academias de ginástica a instituições financeiras, de tecnologia e de ensino. Também é o principal empregador no país. ​

Em relação a novembro de 2020, o segmento cresceu 10%, apontou o IBGE. Analistas consultados pela Bloomberg estimavam alta de 6,9% nesse recorte.

No ano de 2021, o setor acumulou avanço de 10,9% até novembro. Em período maior, de 12 meses, o crescimento foi de 9,5%.

INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TÊM DESTAQUE NO MÊS

De acordo com o IBGE, quatro das cinco atividades pesquisadas dentro de serviços avançaram em novembro, frente a outubro. No entanto, apenas duas delas estão acima do pré-pandemia, o que sinaliza uma recuperação ainda desigual.

Em novembro, o destaque veio de serviços de informação e comunicação (5,4%), que recuperaram a perda de 2,9% verificada nos dois meses anteriores.

A atividade está em patamar 13,7% acima do verificado em fevereiro de 2020. É a maior distância positiva ante o pré-crise.

Dentro de informação e comunicação, os serviços de tecnologia da informação subiram 10,7%, maior taxa desde janeiro de 2018 (11,8%), ficando 47,4% acima do pré-pandemia.

Esse desempenho chamou atenção no mês, apontou Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa do IBGE. Segundo ele, o avanço da área de TI indica que parte das empresas segue em busca de digitalização, uma tendência acelerada na pandemia.

O segundo impacto positivo entre as atividades, em novembro, veio de transportes, que subiram 1,8% e praticamente recuperaram a perda de 1,9% entre setembro e outubro. O ramo, beneficiado pelo transporte de cargas, opera 7,2% acima de fevereiro de 2020.

Já os serviços prestados às famílias subiram 2,8%. Foi o oitavo avanço consecutivo. Essa atividade reúne empresas bastante impactadas pelas restrições à circulação na pandemia, como bares, restaurantes, hotéis, academias de ginástica e salões de beleza. Os serviços prestados às famílias, contudo, ainda estão 11,8% abaixo de fevereiro de 2020.

A atividade de outros serviços, por sua vez, cresceu 2,9% em novembro, recuperando apenas uma parte da queda de 12,6% entre setembro e outubro. O ramo está 2,5% abaixo do pré-crise.

Os serviços profissionais, administrativos e complementares amargaram a quarta taxa negativa seguida, de 0,3%. A atividade, que está 4,2% abaixo de fevereiro de 2020, funciona como uma espécie de termômetro da atividade econômica, disse Lobo.

Isso ocorre porque o ramo profissional, administrativo e complementar envolve serviços presenciais prestados a outros negócios, em áreas como segurança e limpeza.

"Serviços de caráter presencial, como os prestados às famílias, foram mais impactados pela pandemia e estão mostrando taxas positivas e significativas. Mas ainda não operam em nível igual ou superior a fevereiro de 2020", pontuou Lobo.

"O que traz o setor de serviços para nível 4,5% acima de fevereiro de 2020 são aqueles mais voltados a empresas e que se aproveitaram de oportunidades na pandemia", completou.

AMEAÇAS NO RADAR

No segundo semestre de 2021, as atividades de caráter presencial passaram a apostar em uma melhora dos negócios devido ao impulso da vacinação contra a Covid-19 e da reabertura da economia.

Porém, a recuperação entre o final de 2021 e o começo de 2022 é ameaçada pelo cenário de escalada da inflação, juros mais altos e renda fragilizada. Em conjunto, esses fatores diminuem o poder de compra dos consumidores.

Outro risco vem da variante ômicron, apontada como responsável pelo novo salto da Covid-19 no Brasil.

Restaurantes e bares, por exemplo, tiveram de afastar funcionários em razão dos casos de coronavírus e gripe nas últimas semanas.

A contaminação de trabalhadores também fez com que companhias aéreas cancelassem uma série de voos na largada de 2022.

Lobo disse que é preciso aguardar para saber se a ômicron vai reduzir o crescimento ou até gerar queda na prestação de serviços no país. O pesquisador do IBGE, contudo, reconheceu que a variante pode provocar "reflexo negativo" nas atividades.

"O cancelamento de voos pode implicar em desistência de viagens pelas famílias."

Antes de divulgar o desempenho de serviços, o instituto apresentou outro indicador setorial referente a novembro de 2021: a produção industrial, que recuou 0,2%. Foi a sexta baixa consecutiva das fábricas.

Nesta sexta-feira (14), será a vez de o IBGE divulgar o balanço das vendas do comércio varejista em novembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos