Mercado abrirá em 2 h 43 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,47
    +1,03 (+1,25%)
     
  • OURO

    1.781,70
    +16,00 (+0,91%)
     
  • BTC-USD

    62.071,24
    +2,76 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.447,95
    -3,68 (-0,25%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.206,90
    +3,07 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.328,75
    +38,25 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4123
    +0,0208 (+0,33%)
     

Digitalização do mercado de pets deve manter alta no pós-pandemia

·2 minuto de leitura

Um levantamento recente da Comissão de Animais de Companhia (Comac), órgão do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), diz que 74% dos tutores de pets afirmaram fazer mais compras pela internet durante o período da onda de covid-19. Além disso, 90% dos ouvidos acreditam que o hábito irá continuar mesmo após a pandemia. Participaram da amostragem 750 tutores e 94 veterinários.

O estudo Radar Pet 2021 da Comac — que representa empresas da indústria veterinária — aponta ainda que 72% dos entrevistados passaram mais tempo usando a internet, contra 46% que responderam à pesquisa em 2020. Mesmo com o excesso de vida online, 73% afirmaram que conseguissem aproveitar mais a companhia dos seus bichinhos neste ano. Para 86%, esse tempo com eles deverá se manter mesmo após a normalização das atividades para um estágio pré-pandemia.

Outros insights interessantes da pesquisa foram:

  • 66% dos entrevistados buscaram artigos e textos online sobre medicamentos ou bem-estar voltados a animais de estimação;

  • 66% também assistiram a vídeos e lives sobre o tema;

  • 39% começaram a seguir algum influenciador digital ou página focada em pets;

  • Tutores usam como meio de informação o Google (63% cães, 61% gatos), YouTube (55% cães, 58% gatos), Instagram (49% cães, 44% gatos), WhatsApp (41% cães, 38% gatos). Mas a principal fonte ainda é o veterinário (82% cães, 79% gatos).

Imagem: Reprodução/Bonnie Kittle/Unsplash
Imagem: Reprodução/Bonnie Kittle/Unsplash

Pelo menos um terço dos tutores comprou alguma medicação veterinária pela internet na pandemia. Para a maioria, 2020 foi o ano de sua primeira compra do tipo. Entre os que ainda não compraram dessa forma, cerca de metade disse estar disposta a fazer isso no futuro próximo.

“No varejo pet brasileiro, a venda online tinha uma representatividade baixa antes da pandemia. Cerca de 3% a 5% do consumo era realizado por esse canal. Durante os meses críticos de isolamento social, houve uma aceleração muito grande das vendas através dos meios digitais. Depois dessa experiência, a maioria dos tutores deve manter o uso dos e-commerces ao adquirir produtos para seus animais”, esclarece Leonardo Brandão, coordenador da Comac.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos