Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.633,09
    -603,10 (-1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Diesel recua nos postos do Brasil na semana; etanol e gasolina sobem, diz ANP

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O preço médio do diesel nos postos de combustíveis do Brasil registrou leve queda ao longo da última semana, enquanto os valores de gasolina e etanol subiram no período, indicou pesquisa publicada nesta sexta-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo levantamento da reguladora, o diesel atingiu patamar médio de 4,196 reais por litro nas bombas, queda de 0,2% em relação à semana anterior, quando havia quebrado uma sequência de quatro recuos semanais consecutivos.

A gasolina, por sua vez, registrou alta de 0,44% na comparação com a pesquisa anterior da ANP, com o litro cotado em 5,465 reais.

Já o etanol, concorrente da gasolina nas bombas, apresentou o maior ganho no período, de cerca de 2,5%, atingindo preço médio de 3,908 reais por litro, o mais elevado desde meados de março.

Isso ocorre em meio a um início lento da safra de cana-de-açúcar, principal matéria-prima do biocombustível, no centro-sul do país. Segundo dados da associação Unica, a moagem de cana na primeira quinzena de abril ficou 30% abaixo da registrada em mesmo período de 2020, na região.

No mês de abril, de acordo com os dados publicados semanalmente pela ANP, o valor médio do óleo diesel acumulou queda de 0,75%. A gasolina subiu 0,25%, e o etanol apurou alta de 0,72%.

Os preços dos combustíveis têm se mantido no foco do país desde o início do ano, principalmente após ameaças de greve de caminhoneiros em fevereiro, o que levou o presidente Jair Bolsonaro a reduzir por dois meses --a partir de março-- a incidência do PIS/Cofins sobre o produto.

Com o fim da medida previsto para esta sexta-feira, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) disse ter enviado ofício ao governo solicitando a prorrogação dos cortes, citando preocupações com "os custos que os caminhoneiros autônomos arcam com seus caminhões".

Além da redução tributária na tentativa de conter a escalada do diesel, Bolsonaro também demitiu Roberto Castello Branco da presidência da Petrobras por divergências sobre a política de preços da estatal, que leva em conta fatores como o preço do petróleo no mercado internacional e a cotação do dólar.

A vaga de Castello Branco passou a ser ocupada pelo general Joaquim Silva e Luna. A petroleira anunciou nesta sexta-feira o primeiro reajuste de preços desde a chegada de Luna ao comando, com a redução do valor médio de diesel e gasolina em suas refinarias em 2% a partir de sábado.

Apesar desse movimento, o preço do diesel cobrado pela estatal ainda acumula ganho de 34% desde o início do ano, enquanto a gasolina vê salto de 40,7% no período.

Os preços nos postos não acompanham necessariamente e de imediato os valores nas refinarias, e dependem de uma série de fatores, incluindo impostos, mistura de biocombustíveis e margens de distribuição.

(Por Gabriel Araujo)