Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.699,50
    +97,80 (+0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.394,75
    +36,19 (+2,66%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Diesel recua na 1ª metade de abril nos postos após 5 altas mensais, aponta IPTL

·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O preço médio do óleo diesel nos postos de combustíveis no Brasil recuou na primeira quinzena de abril, ante a média registrada no mês passado, após cinco aumentos mensais consecutivos até março, apontou Índice de Preços Ticket Log (IPTL) nesta quinta-feira.

O valor médio do diesel caiu 0,85% na primeira metade de abril, para 4,449 reais por litro, enquanto o do diesel S-10 recuou 0,91%, a 4,497 reais por litro. Em todas as regiões do país, o cenário foi de baixa nos preços, segundo o levantamento.

O recuo ocorre após a Petrobras realizar dois cortes consecutivos nos preços médios do diesel vendido às distribuidoras em suas refinarias, em março e abril.

No comparativo entre as regiões, o maior recuo de preços do diesel foi registrado no Sul, de 1,57%, a 4,064 reais por litro, porém, o combustível foi vendido no menor valor médio do país. Já o diesel mais alto esteve no Norte, a 4,735 reais por litro, após a região registrar também o menor recuo, de 0,21%.

Nesta quinta-feira, a Petrobras anunciou que elevará o preço médio do diesel nas refinarias em cerca de 3,8% e a gasolina em aproximadamente 1,9% a partir de sexta-feira.

(Por Marta Nogueira)